Rondônia, sábado, 19 de agosto de 2017
Últimas Notícias   Rondoniagora.com no Facebook Rondoniagora.com no Twitter Rondoniagora.com no Youtube

Nacional

Publicado em Quinta, 14 de Abril de 2011 - 14h45

Governo Federal negocia reduzir ritmo de obras em Jirau

UOL


Na tentativa de amenizar o clima de tensão nas áreas de construção das hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio, governo, empresários e sindicalistas negociam a redução do ritmo das obras e a possibilidade de demissão de trabalhadores. Com isso, deve ser fechado um terceiro cronograma para a entrega dos empreendimentos.Pela previsão original, as obras deveriam ser entregues em janeiro de 2013, mas houve a antecipação para março de 2012, o que levou a empresa a contratar mais trabalhadores. Para o governo, a ampliação no número de trabalhadores, pode ter resultado na tensão no local, com a paralisação dos trabalhadores e os conflitos.

O ministro Carlos Lupi (Trabalho) disse que o novo cronograma deve ser elaborado por empresários e sindicalistas.

"Muitas das obras, em Jirau e Santo Antonio, vão diminuir o ritmo até por solicitação dos sindicatos e do próprio governo. É um contingente muito exagerado de trabalhador que fica sem controle. Eles [empresários] querem antecipar, mas queremos que seja cumprido o cronograma estabelecido", disse.

Lupi disse que ainda não é possível avaliar o número de demissões e que uma radiografia exata das obras está sendo levantada. São 16 mil trabalhadores em Santo Antonio e cerca de 20 mil em Jirau.

"Esperamos que todas essas possíveis demissões sejam feitas através de possíveis acordo com sindicatos para a gente ter controle desse processo", disse.

Empresário e sindicalistas foram recebidos hoje no Palácio do Planalto. Além de Lupi, o ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência) também participou do encontro.

MARCO REGULATÓRIO DO PAC

Segundo o ministro do Trabalho, o governo também deve anunciar em dois meses um marco regulatório para as obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), que envolveria ainda, por exemplo, Pecém (CE) e Suape (PE), que também enfrentaram paralisações por melhores condições de trabalho.

"Essas obras são atípicas. São pequenas cidades montadas em pequenas cidades. O governo tem sua responsabilidade. A legislação atual é especifica para garantias mínimas de trabalho. São grandes obras que envolvem centenas de trabalho por isso precisam de uma atenção detalhada", disse.

Lupi reconheceu que há desrespeito aos direitos trabalhistas e que, em alguns casos, há violação dos direitos humanos. O ministro, no entanto, minimizou a situação e afirmou que o controle das obras será ampliado com a criação de uma comissão, com representantes de todos os setores, responsável por uma avaliação semanal dos canteiros.

Segundo o representante da Confederação Nacional dos Sindicatos da Construção e Madeira da CUT, Luiz Carlos de José Queiroz, existe uma preocupação com demissões em massa.

"Esperamos um ritmo mais adequado e com boas condições de trabalho para todos. [...] Mas há preocupação com demissão em grande escala. A região está explosiva", disse.

Rondoniagora.com





2016 © Rondoniagora.com - Todos os direitos reservados. As notícias veiculadas nos blogs, colunas e artigos são de inteira responsabilidade dos autores.

Avenida Guaporé, 4248 - Bairro Igarapé - Porto Velho - RO (69) 3225-9705

Desenvolvido por
Idalus Internet Solutions