Rondônia, sexta-feira, 18 de agosto de 2017
Últimas Notícias   Rondoniagora.com no Facebook Rondoniagora.com no Twitter Rondoniagora.com no Youtube

Nacional

Publicado em Quarta, 18 de Março de 2009 - 17h29

Lula condiciona reajuste salarial à normalidade do País na crise

O Globo


Ao ser perguntado sobre a possibilidade de o governo federal não cumprir a promessa de reajuste salarial escalonado para os servidores públicos federais, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva condicionou nesta quarta-feira a concessão do reajuste à uma situação de normalidade do país diante da crise econômica mundial:- Não gosto de tomar medidas precipitadas, se tem uma coisa que não passa na minha cabeça é ficar com medo do que vai acontecer amanhã. Não tenho medo premeditado. Temos um acordo (com os servidores). A minha ideia é cumprir esse acordo. Eu só não cumprirei esse acordo se houver anormalidade. Mas como só vou ter que decidir em junho, por que vou ter pressa agora? - indagou o presidente, que prosseguiu: " Não gosto de tomar medidas precipitadas e não tenho medo premeditado. Só não vou cumprir o acordo caso não haja normalidade – “Com muita paciência, tenho toda vontade de cumprir o acordo, porque, como vem do movimento sindical, sei o quanto é bom agente cumprir os acordos (com funcionários públicos). Minha ideia é cumprir. Deus queria que volte à normalidade logo, para que a gente não tenha que mexer em nada - completou.

Na sexta-feira, o próprio ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, confirmou que o governo poderá suspender o pagamento da parcela de julho, caso a queda brusca da receita se confirme. Mas, dentro do governo, Lula e a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, têm se manifestado contra o adiamento do pagamento do reajuste.

Servidores mobilizados em Brasília

Os servidores continuam mobilizados em Brasília e devem continuar as manifestações ao longo do dia. No fim da tarde, representantes dos servidores se encontram com o ministro Paulo Bernardo para discutir como ficará a parcela de julho do reajuste.

O ministro deverá alegar ao grupo de servidores que a queda na arrecadação este ano será de, pelo menos, R$ 35 bilhões. Até sexta-feira, o governo deve anunciar a ampliação do corte no Orçamento para até R$ 45 bilhões.

Justiça também pode ficar sem reajuste salarial por causa da crise. Diante do dilema de suspender ou não os pagamentos das parcelas futuras do reajuste dado ao funcionalismo público federal, o governo pediu aos aliados que não aprovem qualquer outro projeto que aumente gastos com pessoal em ano de crise. Tramitam no Congresso projetos aumentando o vencimento dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e dos procuradores do Ministério Público da União.

Segundo o Planalto, a aprovação de um projeto reajustando salário do Judiciário, por exemplo, deixaria o governo em situação delicada , uma vez que deverão ser suspensos ou adiados os reajustes do Executivo - medida que o governo não pode adotar em relação a outro poder.


Rondoniagora.com





2016 © Rondoniagora.com - Todos os direitos reservados. As notícias veiculadas nos blogs, colunas e artigos são de inteira responsabilidade dos autores.

Avenida Guaporé, 4248 - Bairro Igarapé - Porto Velho - RO (69) 3225-9705

Desenvolvido por
Idalus Internet Solutions