Rondônia, quarta-feira, 23 de outubro de 2019
Últimas Notícias   Rondoniagora.com no Facebook Rondoniagora.com no Twitter Rondoniagora.com no Youtube

Cidades

Publicado em Sábado, 23 de Abril de 2016 - 13h09

Apelo para doação de medula óssea para salvar menina esbarra em desconhecimento

Da Redacao


Uma menina de apenas seis anos que até o final do ano passado levava uma vida normal, em Ji-Paraná. Mas, a partir de um certo momento a família de Beatriz Ribeiro começou a estranhar a falta de apetite e a palidez do seu rosto. Consultado um médico e realizados exames, o diagnóstico foi inesperado e difícil: ela estava com leucemia, um tipo de câncer que se inicia na medula óssea, um o tecido mole dentro dos ossos responsáveis por produzir glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas. A cura só poderá acontecer mediante um transplante desta medula  e que precisa se dar o quanto antes.

A partir daí, teve início uma mobilização na cidade para encontrar um doador que precisa ser totalmente compatível, o que é bastante difícil devido ao pequeno número de pessoas disponíveis e ao desconhecimento de como é fácil cumprir esta decisão para salvar uma vida. Beatriz hoje está em São Paulo e submete-se diariamente a sessões de quimioterapia.

A campanha em Ji-Paraná já está ganhando adeptos na imprensa, mobilizando vários profissionais entre eles a jornalista Silvia Cristina que, em seu programa noturno na Rede TV!, fez um apelo à população para que se cadastre como possíveis doadores no Registro de Doadores de Medula (Redome). Para tanto, basta comparecer à Unidade de Coleta e Transfusão de Sangue da Fundação Fhemeron, em Ji-Paraná, doar apenas 5 ml de sangue e, em seguida, preencher uma ficha de identificação. Estes dados pessoais e os do sangue coletado são agrupados em único registro nacional. Trata-se de um sistema informatizado que cruza as informações genéticas dos doadores voluntários cadastrados com as dos pacientes que precisam do transplante. Verificada a compatibilidade, a pessoa doadora é convidada para efetivar a doação.

Esta foi a atitude tomada nesta sexta-feira (22) por Daiane Moreira, universitária ji-paranaense que, a partir de uma conversa com a tia-avó da pequena Beatriz, decidiu cadastrar-se no Redome, doando seus 5 ml de sangue. Tudo é muito rápido e não dura mais do que alguns minutos, porque a quantidade de sangue é bastante pequena. “Conversei com a tia da Bia, a da. Beta, e hoje vim aqui. Foi muito fácil. Agora vou ver se colegas meus podem fazer o mesmo”, disse à reportagem do Rondoniagora.

A Fhemeron informa que pode se inscrever no Redome qualquer cidadão que tenha entre 18 e 54 anos, que não tenha Aids ou câncer, de qualquer peso e tipo sanguíneo. Portadores de diabetes e hipertensão, ou  que estejam tomando remédio controlado, também podem se cadastrar. Quanto mais pessoas estiverem no Redome melhor, porque é difícil localizar a compatibilidade. Estima-se que ela seja de aproximadamente 25% entre irmãos e 5% entre primos, podendo chegar a 1 entre 100 mil entre pessoas de uma mesma região. Esta dificuldade se dá pela miscigenação da população brasileira.

A Fhemeron em Ji-Paraná está situada na Rua Vilagran Cabrita, 1.440. A doação pode ser feita às 2ªs, 3ªs e 5ªs feiras, das 7 às 13 horas. Às 4ªs e 6ªs feiras o horário de atendimento é integral.  O telefone é 3421-1615.


(Disponível em https://www.rondoniagora.com/cidades/apelo-para-doacao-de-medula-ossea-para-salvar-menina-esbarra-em-desconhecimento)
Rondoniagora.com





2016 © Rondoniagora.com - Jornal Rondoniagora é uma publicação de Central de Jornalismo, Produção, Marketing e Assessoria Ltda. Todo o noticiário, incluindo vídeos, não podem ser publicados, retransmitidos por broadcast, reescritos ou redistribuídos sem autorização escrita da direção, mesmo citando a fonte.

Avenida Guaporé, 4248 - Bairro Igarapé - Porto Velho - RO (69) 3225-9705

Desenvolvido por
Idalus Internet Solutions