Rondônia, terça-feira, 24 de maio de 2022
Últimas Notícias   Rondoniagora.com no Facebook Rondoniagora.com no Twitter Rondoniagora.com no Youtube

Cidades

Publicado em Terça, 05 de Abril de 2022 - 10h08

Júri de Ariquemes condena homem a 54 anos pelo assassinato da filha

com TJ/RO


Júri de Ariquemes condena homem a 54 anos pelo assassinato da filha

O Tribunal do Júri de Ariquemes considerou Diones Santos Souza culpado pela morte da própria filha, Aline Santos Souza Silva, e a pena foi fixada pela juíza de Direito Larissa Pinho em 54 anos de prisão, em regime inicialmente fechado.

Segundo a Polícia, o criminoso confessou ter matado a filha enforcada e com golpes na cabeça. Aline tinha apenas um ano e nove meses. O caso aconteceu no loteamento São Francisco, zona rural da cidade.

A PM informou que ele assassinou a criança porque a ex-esposa não queria reatar o relacionamento. Aline foi morta enforcada e com vários golpes de um pedaço de madeira na cabeça.

Os jurados decidiram que o homicídio foi qualificado, praticado por motivo torpe (banal), meio cruel e recurso que impossibilitou a defesa da ofendida, e, ainda, contra mulher por razões da condição de sexo feminino, no âmbito doméstico e familiar, conforme a acusação do Ministério Público. As qualificadoras são causas de aumento da pena.

De acordo com a sentença, culpabilidade do réu merece grau de censura maior do que aquele próprio do tipo, pois agiu de forma articulada, com absoluta frieza, demonstrando insensibilidade para com a vida humana, orientando sua vontade com propósito de eliminar a vida da vítima, sua própria filha, de forma covarde, como se não possuísse qualquer vínculo afetivo com a criança, o que choca o sentimento e a sensibilidade do homem médio.

Para a Justiça, a conduta social é altamente repugnante e supera os limites do tolerável, decorrentes do rompimento do “amor de pai” e de brutalidade incomum. A personalidade fria foi considerada na hora de decidir o tamanho da pena, pois além de matar sua própria filha por vingança da ex-companheira, a sangue frio, se valeu de violência desnecessária para a execução do delito.

Segundo consta no processo, o réu já possuía outros antecedentes criminais e executou o crime bárbaro em lugar ermo, sem testemunhas, durante a noite, aumentando inutilmente o sofrimento da criança, revelando uma brutalidade fora do comum, sem o mínimo sentimento de piedade.

Além disso, destacou a magistrada em sua decisão, as consequências extrapenais foram graves e devem ser reprovadas, ainda mais pelo fato de que os familiares da vítima necessitam de tratamento psiquiátrico e psicológico, conforme relatado em plenário. “Não há como ignorar o fato de que o homicídio perpetrado contra a vida de uma criança, de apenas 01 anos e 09 meses, repleta de possibilidades e perspectivas, subverte a ordem natural da vida e exige um maior rigor por parte do Estado-Juiz quanto à reprovabilidade destas condutas”, decidiu a juíza Larissa Pinho.


Rondoniagora.com





2016 © Rondoniagora.com - Jornal Rondoniagora é uma publicação de Central de Jornalismo, Produção, Marketing e Assessoria Ltda. Todo o noticiário, incluindo vídeos, não podem ser publicados, retransmitidos por broadcast, reescritos ou redistribuídos sem autorização escrita da direção, mesmo citando a fonte.

Avenida Guaporé, 4248 - Bairro Igarapé - Porto Velho - RO (69) 3225-9705

Desenvolvido por
Idalus Internet Solutions