Rondônia, quinta-feira, 29 de outubro de 2020
Últimas Notícias   Rondoniagora.com no Facebook Rondoniagora.com no Twitter Rondoniagora.com no Youtube

Cidades

Publicado em Terça, 25 de Abril de 2017 - 09h21

Maternidade de Guajará-Mirim só deve fazer cesarianas em casos necessários

da Assessoria


Maternidade de Guajará-Mirim só deve fazer cesarianas em casos necessários

O Ministério Público Federal (MPF-RO) expediu recomendação à maternidade do hospital Bom Pastor, localizado em Guajará-Mirim, para que as cirurgias cesarianas só sejam feitas nos casos em que são necessárias. Para o órgão, esse procedimento cirúrgico gera riscos imediatos e a longo prazo.

A recomendação também orienta que o hospital determine a utilização do cartão gestante como documento obrigatório, no qual deverá constar o registro de todo pré-natal e que os obstetras usem o partograma, documento gráfico onde é registrado tudo o que acontece no trabalho de parto e possibilita a avaliação de uma correta indicação de cesariana. Além disso, a maternidade deve utilizar a Classificação de Robson (sistema padronizado que monitora as taxas de cesariana em todo mundo) como instrumento padrão.

Outra medida recomendada pelo MPF-RO é para os casos em que a cirurgia seja realizada a pedido da gestante. Nestes casos, deve ser elaborado um “termo de consentimento livre e esclarecido” com as indicações e os riscos da cirurgia cesariana, bem como a identificação completa do médico e da paciente.

A recomendação foi assinada pela procuradora da República Daniela Lopes de Faria. Ela expõe que a Organização Mundial de Saúde estabelece que as taxas ideais de cirurgias cesarianas fiquem entre 10% e 15%. A procuradora também argumenta que, em 2011, foi instituído no Sistema Único de Saúde a Rede Cegonha, que consiste em uma rede de cuidados que visa assegurar à mulher o direito ao planejamento reprodutivo e a atenção humanizada à gravidez, ao parto e ao pós-parto, bem como à criança o direito ao nascimento seguro e ao crescimento e ao desenvolvimento saudável.

A maternidade tem prazo de 15 dias para se manifestar quanto ao acatamento ou não da recomendação. Em caso de descumprimento injustificado da recomendação poderá haver responsabilização dos gestores públicos.


Rondoniagora.com





2016 © Rondoniagora.com - Jornal Rondoniagora é uma publicação de Central de Jornalismo, Produção, Marketing e Assessoria Ltda. Todo o noticiário, incluindo vídeos, não podem ser publicados, retransmitidos por broadcast, reescritos ou redistribuídos sem autorização escrita da direção, mesmo citando a fonte.

Avenida Guaporé, 4248 - Bairro Igarapé - Porto Velho - RO (69) 3225-9705

Desenvolvido por
Idalus Internet Solutions