Rondônia, segunda-feira, 16 de dezembro de 2019
Últimas Notícias   Rondoniagora.com no Facebook Rondoniagora.com no Twitter Rondoniagora.com no Youtube

Geral

Publicado em Sábado, 13 de Setembro de 2008 - 01h08

BOLÍVIA DECRETA ESTADO DE SÍTIO NA DIVISA COM O ACRE

GloboNews TV


O governo da Bolívia decretou na noite desta sexta-feira (12) estado de sítio no estado de Pando, um dos envolvidos em protestos contra o governo.
A informação é do ministro boliviano da Defesa, Walker San Miguel, e do ministro de Governo, Alfredo Rada.
O estado de sítio, decretado pouco depois das 20h de Brasília, suspende algumas das liberdades constitucionais no estado até que a ordem pública seja restabelecida no estado, segundo a Agência Boliviana de Informação. Reuniões públicas com mais de três pessoas estão suspensas, e quer estiver portando armas de fogo pode ser preso.

Pelo menos oito pessoas morreram na quinta-feira em confrontos armados entre governistas e oposicionistas em Pando, e ao menos 30 pessoas ficaram feridas. Também houve saques e atos de vandalismo.

Rada disse que mais corpos foram encontrados na região, mas não precisou o número. "Houve um verdadeiro massacre em Pando", disse. Segundo ele, foram cometidos "crimes contra a humanidade" no local.

De acordo com San Miguel, os crimes teriam sido cometidos por paramilitares ligados a grupos oposicionistas, com a participação de "delinqüentes", alguns estrangeiros. Fontes do governo disseram que brasileiros e peruanos estariam entre eles.

Rada também envolveu nas mortes funcionários do governador de Pando, Leopoldo Fernández. Mais cedo, Fernández havia negado as acusações.

Uma multidão cercava na noite desta sexta o aeroporto de Cobija, em Pando. Houve disparos de armas de fogo e explosões, segundo a imprensa local. Os manifestantes estariam tentando impedir o pouso de aviões com reforço militar.

O deputado oposicionista Ronald Camargo, que está no local, disse que uma pessoa morreu e três ficaram feridas nos confrontos.

O estado de sítio é decretado em uma sexta-feira que foi relativamente mais calma na Bolívia, depois da escalada de violência entre governistas e oposicionistas dos últimos dias.

Mais cedo, Morales havia ordenado nesta sexta que as Forças Armadas do país evitem usar armas de fogo contra os manifestantes oposicionistas.

"Eu digo às polícia e às Forças Armadas que é proibido usar armas de fogo contra o povo", disse Evo em um discurso pela TV gravado em Cochabamba.

O chefe das Forças Armadas, general Luís Trigo, retrucou dizendo que seus homens vão fazer "tudo o que for necessário" para proteger o estado. "Vamos garantir a propriedade da nação, o funcionamento do Estado e os serviços públicos, assim como a preservação dos recursos estratégicos", disse.

Os distúrbios violentos tiveram como principais cenários os departamentos (estados) de Santa Cruz, Beni, Pando e Tarija, governadas por opositores autonomistas.

Nestas províncias, ocorreram mais de 30 cortes de estradas, além de ocupações de entidades e de empresas do Estado e ataques a várias instalações petrolíferas.

Os protestos também provocaram a interrupção parcial do fornecimento do gás natural boliviano para o Brasil e a Argentina.

O impacto das manifestações começou a ser sentido no oeste do país, onde está a sede do governo, La Paz, por uma relativa escassez de combustíveis produzida porque muitas usinas petrolíferas estão ocupadas no leste.

Os militares começaram na noite de quinta a mobilizar mais tropas em direção aos campos petrolíferos com o propósito de evitar que ocupações como as que afetaram parcialmente o envio de gás para Brasil e Argentina continuem.

Morales convocou para uma reunião o governador de Tarija, Mario Cossío, como porta-voz dos líderes de Santa Cruz, Rubén Costas; de Beni, Ernesto Suárez e de Pando, Leopoldo Fernández, todos unidos quanto à reivindicação de um regime autônomo para suas regiões.

Cossío disse que é "urgente" pacificar a Bolívia. "Primeiro temos de pacificar o país, esta é a primeira tarefa que vamos propor ao presidente, e esperamos chegar a um acordo."

Ele disse que está em La Paz para buscar "um pacto, um grande acordo nacional para um processo maior de reconciliação nacional."

(Disponível em https://www.rondoniagora.com/geral/bolivia-decreta-estado-de-sitio-na-divisa-com-o-acre)
Rondoniagora.com





2016 © Rondoniagora.com - Jornal Rondoniagora é uma publicação de Central de Jornalismo, Produção, Marketing e Assessoria Ltda. Todo o noticiário, incluindo vídeos, não podem ser publicados, retransmitidos por broadcast, reescritos ou redistribuídos sem autorização escrita da direção, mesmo citando a fonte.

Avenida Guaporé, 4248 - Bairro Igarapé - Porto Velho - RO (69) 3225-9705

Desenvolvido por
Idalus Internet Solutions