Rondônia, sábado, 24 de outubro de 2020
Últimas Notícias   Rondoniagora.com no Facebook Rondoniagora.com no Twitter Rondoniagora.com no Youtube

Geral

Publicado em Quinta, 26 de Março de 2009 - 12h50

Cassol nega reposição salarial aos servidores e diz que a culpa é da crise mundial

Assessoria


Em reunião com líderes sindicais representantes das categorias de funcionários públicos estaduais, na manhã desta quinta-feira, o secretário Chefe da Casa Civil, Odacir Soares, disse que, por ordem do governador Ivo Cassol, os servidores não terão qualquer reajuste salarial. O principal motivo alegado, para espanto de todos, é a crise econômica internacional.
Participaram da reunião os presidente do Sintero (Educação), Sindifisco (grupo fisco), Sinsempro (Ministério Público), Simporo (motoristas), Sinsdet (Detran), Sinsepol (Polícia Civil), e diretores do Sinjur (Poder Judiciário) e Sindsaúde (servidores da saúde).

O secretário Odacir Soares disse que fez um levantamento e concluiu que o impacto de uma reposição salarial de 10% seria de poço mais de 7 milhões e 900 mil reais por mês na folha de pagamento. De posse dos dados conversou com o governador Ivo Cassol que determinou que não haverá reposição salarial alegando que o Estado não tem como arcar com os custos e que a administração está preocupada com os gastos.

O Chefe da Casa Civil ficou sem argumento quando os sindicalistas relataram a quantidade de cargos comissionados criados pelo governo, os aumentos dos gastos com CDS e os constantes recordes de arrecadação. O Estado pode comprometer até 49% das receitas com folha de pagamento, mas hoje esse índice não passa de 33%.

Para os sindicalistas a resposta do governo de não conceder reajuste para não criar gastos é contraditória com o que vem ocorrendo na administração, pois, enquanto alega que não pode repor perdas salariais, o governo cria secretaria com toda a sua estrutura, cria novos cargos comissionados, aumenta os já existentes, e anuncia que a economia do Estado está crescendo.

Logo no início deste ano o governo enviou à Assembléia Legislativa mensagens pedindo a suplementação orçamentária em mais de R$ 52 milhões, o que significa que a arrecadação do Estado, já no início do ano, supera a estimativa do orçamento aprovado pela Assembléia Legislativa.
A presidente do Sintero, Claudir Mata, questionou, ainda, o destino dos R$ 60 milhões que a Assembléia Legislativa anuncia ter economizado e devolvido ao governo. “Os sindicatos estão abertos à negociação. O governo precisa definir se a prioridade é beneficiar os cargos comissionados e criar novas despesas, ou valorizar o funcionalismo público. Agora, dizer que a crise mundial afetou os cofres do governo, é subestimar a inteligência do povo de Rondônia”, disse Claudir.

Para os presidentes do Sinsempro, do Simporo e do Sinsepol, praticamente não houve audiência, pois o secretário Chefe da Casa Civil simplesmente deu a notícia de que o governo não vai conceder reajuste salarial. “Isso não é negociação. Isso não é diálogo.Depois não venha o governo dizer que os sindicatos são intransigentes. Quem não está negociando é o governo”, disse Antônio Belarmino, presidente do Sindicato dos Servidores do Ministério Público.

Os representantes dos sindicatos estão unidos em torno da reivindicação dos servidores públicos estaduais e já traçam estratégias para combater a intransigência do governo. O início será a mobilização dos funcionários públicos para um grande ato público, no dia 1º de abril, para um ato público em frente ao Palácio do Governo, a partir das 09 horas.

Rondoniagora.com





2016 © Rondoniagora.com - Jornal Rondoniagora é uma publicação de Central de Jornalismo, Produção, Marketing e Assessoria Ltda. Todo o noticiário, incluindo vídeos, não podem ser publicados, retransmitidos por broadcast, reescritos ou redistribuídos sem autorização escrita da direção, mesmo citando a fonte.

Avenida Guaporé, 4248 - Bairro Igarapé - Porto Velho - RO (69) 3225-9705

Desenvolvido por
Idalus Internet Solutions