Rondoniagora.com

Rondônia, 25 de Setembro de 2022
Banner
Siga o Rondoniagora

Geral

DEPUTADO FEDERAL DE MINAS QUESTIONA OBRAS TEMERÁRIAS DA SCHAHIN EM RONDÔNIA

Sexta-feira, 22 Fevereiro de 2008 - 16:54 | RONDONIAGORA.COM


DEPUTADO FEDERAL DE MINAS QUESTIONA OBRAS TEMERÁRIAS DA SCHAHIN EM RONDÔNIA
O deputado federal Carlos Willian (PTC-MG) responsabilizou a empresa Schahin pelo acidente ambiental ocorrido no dia 9 de janeiro na barragem na Pequena Central Hidrelétrica do Apertadinho em Rondônia. Segundo o parlamentar, em discurso na Câmara, a empreiteira não observou que área da PCH é arenoso e facilitador de erosão. O Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA) de Rondônia informou ao deputado que a Schahin sabia dos problemas, mas nada fez para evitar o desastre. “A empreiteira demonstrou uma incompetência impar ao realizar um serviço temerário na construção da barragem”, afirmou Carlos Willian.
O representante de Minas corroborou as denúncias de que a Schahin já tem histórico de maus serviços prestados na construção de barragens. Lembrou dos acidentes da PCH de São Joaquim e de Calheiros. “E já não é de hoje que a Schahin freqüenta a página de escândalos do noticiário policial. Lembro-me de que na CPI dos Correios, da qual tive a honra de ser o sub-relator, ela foi relacionada como beneficiária de recursos supostamente frios do Banco Santos, da ordem de R$ 10 milhões. Além disso, essa desastrada empresa teria recebido R$ 300 mil do empresário Marcos Valério para diversas atividades fraudulentas”, discursou.
Carlos Willian chamou a atenção do Governo brasileiro para os contratos firmados entre a Schahin e a Petrobras, em razão das obras temerárias em Rondônia e outros estados. “Só Deus sabe às quantas vai o risco a que um dos nossos maiores patrimônios nacionais está submetendo-se, na hipótese de continuar a operar com uma empresa tão temerária”, explicou.

ACIONISTAS NO PREJUÍZO
A PCH Belém, que administra a usina do Apertadinho, é formada por pequenos, médios e grandes acionistas dos fundos de Pensão do Rio de Janeiro e de Santa Catarina. Uma reunião realizada em São Paulo nesta semana mostrou a grande preocupação dos acionistas com os rumos da obra e os prejuízos deixados pela Schahin, que será responsabilidade judicialmente pela destruição da barragem e pelo acidente ambiental. Por outro lado, a CEBEL se comprometeu a recuperar toda área degradada e colocar 1 milhão de peixes no lago. Serão peixes produzidos a partir de matrizes colhidas no próprio rio.
Rondoniagora.com

SIGA-NOS NO Rondoniagora.com no Google News