Rondônia, quarta-feira, 1 de dezembro de 2021
Últimas Notícias   Rondoniagora.com no Facebook Rondoniagora.com no Twitter Rondoniagora.com no Youtube

Geral

Publicado em Quinta, 18 de Novembro de 2021 - 09h18

IBGE: Rondônia tem aumento histórico de óbitos entre 2019 e 2020

da Assessoria / IBGE


IBGE: Rondônia tem aumento histórico de óbitos entre 2019 e 2020

As Estatísticas do Registro Civil, divulgadas anualmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), demonstram que houve um aumento histórico na variação de óbitos entre 2019 e 2020. Nos anos anteriores, o número varia em torno de 2% ao ano, mas, entre 2019 e 2020, houve aumento de 23%, passando de 8.473 para 10.426. Quando consideradas apenas as mortes naturais, que incluem doenças como covid-19, o aumento foi de 26,3%.

Analisando os números de mortes naturais, constata-se que o mês de junho apresentou a maior variação de 2019 para 2020: 78,7%. O mês de agosto registrou aumento de 58% no número de óbitos e julho subiu 57,9%.

Entre os municípios rondonienses, quando comparados os números de óbitos ocorridos em 2020 com a média dos últimos cinco anos, as maiores variações aconteceram em Cujubim (62,5%), Itapuã do Oeste (51,4%), Porto Velho (51,1%), Parecis (50%) e Rio Crespo (46,2%).

Observou-se ainda que os homens morrem mais que as mulheres: eles foram responsáveis por 59,3% dos óbitos naturais e por 82,7% das mortes não naturais (que incluem acidente de trânsito, homicídios e suicídios).

A pesquisa mostra ainda que, em 2020, ocorreram e foram registrados 239 óbitos fetais em Rondônia, sendo que os meses de maio e julho apresentaram o maior número: 27 em cada mês. Do total, 68,6% tinham 28 semanas ou mais de gestação. Também se aferiu que a mãe tinha idade entre 20 e 24 anos em 27,6% dos registros.

Registro de nascidos vivos em Rondônia é o menor desde 2014

No ano de 2020, nasceram e foram registrados 25.577 bebês de mulheres residentes em Rondônia. O número de registro é o menor desde 2014. Deste total, 51,3% eram meninos e 48,7% eram meninas. Por meio da pesquisa, também foi possível observar o registro tardio de crianças: 156, que corresponderam a 0,6% dos registros em 2020.

Notou-se ainda que a idade das mães tem aumentado. Em 2010, 21,4% das mães tinham entre 15 e 19 anos. Já em 2020, esta faixa etária representou 15%. O mesmo se constatou entre as mães com idades entre 20 e 24 anos: em 2010, elas foram 31,8% dos partos e, em 2020, foram 27,3%.

Em contrapartida, as mulheres que deram à luz quando tinham idades entre 30 e 34 anos representaram 13,6% dos partos ocorridos em 2010 e 18,8% dos partos em 2020. Da mesma forma, observou-se o aumento da proporção de mães com idades entre 35 e 39 anos: em 2010, elas corresponderam a 4,8% dos partos e, em 2020, 9,7%.

Dos nascimentos ocorridos em 2019 e que não tinham registro, 39% foram na Região Norte e 34% na Região Nordeste. Roraima (15,2%), Amapá (9,1%), Amazonas (8,6%), Pará (8,2%) e Acre (5,4%) foram as Unidades Federativas com as maiores taxas de sub-registro de nascimento. Tocantins (3,3%) está na sétima posição. Já Rondônia, apresenta o sexto menor índice brasileiro, com 0,7% dos nascimentos.


Rondoniagora.com





2016 © Rondoniagora.com - Jornal Rondoniagora é uma publicação de Central de Jornalismo, Produção, Marketing e Assessoria Ltda. Todo o noticiário, incluindo vídeos, não podem ser publicados, retransmitidos por broadcast, reescritos ou redistribuídos sem autorização escrita da direção, mesmo citando a fonte.

Avenida Guaporé, 4248 - Bairro Igarapé - Porto Velho - RO (69) 3225-9705

Desenvolvido por
Idalus Internet Solutions