Rondônia, 23 de julho de 2024
Jornal Rondoniagora
Siga o Rondoniagora

Geral

MPT TENTA PARALISAR OBRAS DE JIRAU E MANTER PAGAMENTO DOS OPERÁRIOS SEM TRABALHAR, MAS JUSTIÇA NEGA

Sexta-feira, 06 Abril de 2012 - 09:44 | RONDONIAGORA


A juíza federal Maria Rafaela de Castro, substituta da 8ª Vara do Trabalho, negou liminar ao Ministério Público do Trabalho em Rondônia que exigiu a imediata paralisação das obras no canteiro da Usina de Jirau, mantendo os contratos de todos os operários, inclusive com direito a antecipação das chamadas “baixadas”, descanso para visitar a família no estado de origem com direito a passagem aérea, alimentação e hotel. A decisão da magistrada foi publicada nesta quinta-feira, 5, que determinou também a inspeção por fiscais da Delegacia Regional do Trabalho (DRT), neste sábado, 07, para verificar as condições de segurança e acomodação dos trabalhadores.


Em Porto Velho, a população está temerosa com os acontecimentos em Jirau. Um grande número de operários esteve alojada no ginásio do Sesi e muitos depois de saber da decisão do MPT de exigir as vantagens, preferiu ficar e chamar outros colegas que estavam dentro do canteiro, aguardando o retorno da obra.
Na prática, o MPT, além de requerer a completa paralisação do canteiro de obras até a reconstrução dos alojamentos incendiados por um grupo vândalos, também exigiu que o consórcio responsável por Jirau não dispensasse nenhum funcionário. E a empresa ainda seria obrigada a fornecer transporte aéreo ou terrestre, sem ônus para os empregados, e o pagamento de três refeições diárias, durante a viagem, no valor mínimo de R$ 60,00. O Ministério Público do Trabalho poderia criar um precedente perigoso para os consórcios porque toda véspera de feriado, o mesmo grupo que praticou o vandalismo queimando os alojamentos poderia repetir esses crimes para obter as mesmas vantagens.
Em Porto Velho, a população está temerosa com os acontecimentos em Jirau. Um grande número de operários esteve alojada no ginásio do Sesi e muitos depois de saber da decisão do MPT de exigir as vantagens, preferiu ficar e chamar outros colegas que estavam dentro do canteiro, aguardando o retorno da obra.

Coerente, a juíza apenas acatou o pedido de inspeção dos fiscais no canteiro para verificar as condições de alojamento e a segurança dos trabalhadores.
Rondoniagora.com

SIGA-NOS NO Rondoniagora.com no Google News

Veja Também

PROVAS APRESENTADAS PELO MINISTÉRIO PÚBLICO SÃO INSUFICIENTES, DIZ JUÍZA

Ao negar uma série de pedidos do Ministério Público do Trabalho (MPT) no caso envolvendo trabalhadores da Usina de Jirau, a juíza federal Maria Raf...

MPT QUER MANTER TRABALHADORES DAS USINAS EM CASA E COM SALÁRIOS E RETORNO GARANTIDOS - Por Ivonete Gomes

Na contra-mão da corrente majoritária que classifica o Direito do Trabalho como um direito privado, por tratar-se de relação entre particulares – e...