Rondoniagora.com

Rondônia, 07 de Outubro de 2022
Banner
Siga o Rondoniagora

Nacional

CGU admite que não pode fiscalizar a Presidência

Quarta-feira, 19 Março de 2008 - 11:32 | RONDONIAGORA.COM


O ministro-chefe da Controladoria-Geral da União (CGU), Jorge Hage, disse a CPI mista dos Cartões Corporativos que a CGU não tem nenhuma jurisdição sobre órgãos da Presidência da República nem sobre os ministérios da Defesa e das Relações Exteriores. Hage explicou que os dois órgãos têm secretarias de controle interno próprias, mas não soube justificar a razão de a CGU não fiscalizar a Presidência da República. Segundo Jorge Hage, essas exceções foram criadas em 2001. As informações são da Agência Câmara.

Ao explicar o funcionamento da CGU para os integrantes da CPI mista, Hage disse que, em virtude de ações de controle interno do órgão, 1.421 servidores ativos foram demitidos, 108 ocupantes de cargos em comissão foram exonerados e 93 servidores inativos perderam sua aposentadoria. De acordo com o ministro, 70% desses desligamentos decorreram de atos de corrupção. O restante, segundo ele, foi demitido por infrações administrativas.

Sigilo
O senador Alvaro Dias (PSDB-PR) disse, antes do início da audiência com Hage, que, se a CPI não quebrar sigilo sobre a movimentação de órgãos da Presidência da República com cartões corporativos, "ela se constituirá em uma grande farsa".

Ele negou que tenha pedido ao presidente do Senado, Garibaldi Alves Filho, para interferir na CPI mista como foi noticiado pela imprensa. "Eu pedi a ele que articulasse um acordo de procedimentos com a base aliada para que a CPMI pudesse cumprir seu objetivo final, que é fazer o diagnóstico da realidade do mau uso de cartões corporativos e apontar os responsáveis".
Rondoniagora.com

SIGA-NOS NO Rondoniagora.com no Google News