Rondônia, 30 de maio de 2024
Jornal Rondoniagora
Siga o Rondoniagora

Nacional

PF investiga possível esquema criminoso na Universidade Federal do Amapá

Sexta-feira, 10 Maio de 2024 - 08:54 | Agência PF


PF investiga possível esquema criminoso na Universidade Federal do Amapá

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta sexta-feira (10), a Operação Diploma Express, para cumprimento de três mandados de busca e apreensão na capital amapaense.

A operação busca desvendar um esquema de cadastro falso e de facilitação para emissão de certificados de conclusão de cursos em que os servidores envolvidos se aproveitavam de uma questão burocrática da emissão dessas certificações, uma vez que universidades ou faculdades que possuem menos de 8 cursos ofertados não podem registrar os seus próprios diplomas.

Para que esses certificados sejam validados, há a necessidade de envio destes diplomas para uma universidade federal, a fim de viabilizar o seu registro. Desse modo, estariam sendo remetidos diplomas de todo o Brasil para serem registrados na na Universidade Federal do Amapá (Unifap), diante da baixa demanda para registro de diplomas no estado do Amapá.

Ocorre que foram colhidos indícios de que servidores da instituição de ensino, supostamente, estariam cobrando uma taxa de apressamento, com valores de R$ 150 por certificado, para que os referidos documentos fossem emitidos de maneira célere.

No decorrer das investigações, também foram colhidos indícios de que a Faculdade de Teologia e Ciências Humanas (Fatech), situada em Macapá, estaria emitindo diplomas contendo informações falsas.

A PF investiga se há, de fato, um esquema de emissão de diplomas de curso superior e pós-graduação sem que o aluno houvesse, de fato, cursado a faculdade, bastando apenas que apresentasse um certificado de curso livre em teologia e, em seguida, funcionários da Fatech supostamente adicionariam as matérias faltantes até preencher a carga horária legal necessária para a emissão do diploma.

Os investigados podem responder pelos crimes de corrupção passiva e de falsidade ideológica e as penas podem chegar a 17 anos de reclusão, mais pagamento de multa.

Rondoniagora.com

SIGA-NOS NO Rondoniagora.com no Google News

Veja Também