Rondônia, 07 de Dezembro de 2022
Jornal Rondoniagora
Siga o Rondoniagora

Política

DENÚNCIA DE VALTER ARAÚJO SOBRE SINTERO ERA MESMO FALSA; STJ RECEBE RECURSO COM DETALHES SOBRE O CASO

Domingo, 10 Julho de 2011 - 20:11 | RONDONIAGORA


No dia 29 de junho a imprensa da Capital foi convocada às pressas pela presidência da Assembléia com relato de que uma “bomba” seria denunciada durante a sessão ordinária. Marcado para às 15h30min, o discurso de Valter Araújo (PTB) começou por volta das 18 horas, quando as emissoras de TV chegaram. A necessidade de exposição era grande, uma vez que o alvo era o principal sindicato de Rondônia: O Sintero. Disse Valter Araújo, com aparte de seus aliados de sempre, que o Sintero era responsável por um prejuízo gigantesco a seus filiados. “Mais de três mil professores estaduais estão prejudicados e perderão parte de seus salários, em decorrência de ação judicial inconseqüente do Sintero”, afirmou Valter no palanque da Casa de Leis. Segundo ele, a entidade sindical era culpada porque entrou na justiça contra o governo e a Assembléia, alegando uma série de questões, “e dentre estas, a forma de mudança de nível dos professores.”. A verdade é que o Sintero jamais entrou na Justiça contra o Parlamento e a declaração de inconstitucionalidade já foi decidida há tempos pelo próprio Judiciário. Em Recurso Ordinário em Mandado de Segurança, o advogado Hélio Vieira detalha erros no Tribunal de Justiça, como arquivamento irregular do processo e a criação de um novo envolvendo a Assembléia, o Governo e retirando o Sintero da causa.



É verdade que Valter Araújo não teria como imaginar que sua “denúncia” era falsa. Mas a pressa no denuncismo – ele disse no plenário que havia sido notificado naquele dia pela Justiça – aliada ao claro objetivo em influenciar o processo eleitoral da entidade sindical, além de completo desconhecimento jurídico e a tentativa de aparecer como “salvador da Pátria” culminaram para o grande vexame, hoje descoberto.

Pela clareza dos esclarecimentos feitos na peça processual é quase certo que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) declare a nulidade de todos os atos processuais. De qualquer forma, uma simples leitura da decisão na época da denúncia de Valter Araújo, já dava para perceber os erros, uma vez que o Sintero nem aparecia na causa, mas apenas o “Secretário de Estado da Administração”, como Arguente da inconstitucionalidade (ou seja, quem pediu) e a Assembléia Legislativa do Estado de Rondônia como Arguida, ou de quem foi questionado o ato jurídico.

TJ já reconheceu progressão

No recurso, ao qual o RONDONIAGORA teve acesso, os advogados do Sintero explicam o que de fato ocorreu. A confusão começou, segundo os relatos, por erros no Tribunal de Justiça. Tudo começa após a edição da Lei Complementar 420/2088, que estabeleceu o Plano de Carreira, Cargos e Remuneração dos Professores da Educação Básica do Estado. O Governo descumpria o artigo 68, o que levou o Sintero a Justiça para fazer valer a Lei.

Um mandado de segurança foi impetrado, quando no Governo passado o secretário da Administração prestou informações e disse que entendia ser inconstitucional o §4º do artigo 5º da Lei 420/2008. Após parecer do procurador da Justiça houve julgamento, sendo confirmada inconstitucional apenas a parte já informada, mas que não era objeto do mandado. Por não ser objeto da demanda, o Sintero apresentou embargos declaratórios, pois julgou dispositivo que não tinha nenhuma ligação com o que se pedia, informando que havia ponto obscuro, do qual não se pronunciou, ou seja, o Artigo 68 inciso II, requerendo a anulação da decisão. O Artigo 68 define as regras da progressão dos atuais servidores, que se dará por escolaridade e tempo de serviço.
No entanto, antes do julgamento houve acordo com o Estado. O Sintero juntou cópia do termo de acordo assinado pelo Procurador Geral do Estado e outro pela secretária da Educação.
O recurso acabou sendo julgado, “CONCEDENDO PARCIALMENTE A SEGURANÇA PARA DETERMINAR A IMPLEMENTAÇÃO DO ARTIGO 68 II, DA LC. N. 420/2008, NA FORMA DOS REQUERIMENTOS ACOSTADOS explicando ainda que estava CONCEDENDO A SEGURANÇA COM RELAÇÃO À PROGRESSÃO HORIZONTAL AOS SERVIDORES, na forma dos requerimentos).

E como o pedido foi concedido nos termos do pedido, o SINTERO requereu a expedição de ofício a Secretaria de administração para cumprir a decisão.

Remetido ao arquivo

Em novembro do ano passado no entanto, uma série de erros acabou por criar os problemas atuais. O processo foi enviado ao arquivo-geral e só em 15 de dezembro o cartório percebeu o erro e solicitou o retorno para “inafastáveis correções”. Mas de forma estranha, foi encaminhado ao departamento de distribuição como ARGUIÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE, recebendo a numeração 0017022-39.2010.8.22.000, informando o número de origem 2010071-29.2009.8.22.0000. Outro erro: agora apareciam como partes: o Secretário da Administração do Estado de Rondônia e a Assembléia Legislativa, que nem sequer fazia parte do mandado de segurança original. O último julgamento manteve a arguição de inconstitucionalidade, que já havia sido julgada. “Daí o erro que gerou as nulidades dos atos desta arguição, eis que, como pode ser constatado, somente foi disponibilizada a publicação do despacho para o Secretário de Estado de Rondônia e a Assembléia Legislativa do Estado de Rondônia, sem que o SINTERO/Recorrente fizesse parte, para devido conhecimento e manifestação, onde o Procurador de Justiça logo após se manifestou pela procedência da citada arguição de inconstitucionalidade, e sobre dispositivo que já havia sido declarado inconstitucional”, diz a petição, informando ainda que a referida arguição foi incluída para pauta de julgamento sem constar a publicação o nome do SINTERO. Ocorrendo o julgamento entendeu-se pela arguição de inconstitucionalidade para declarar inconstitucional novamente o § 4º do artigo 5º da LC n. 420/2008 e por arrastamento os artigos 37 e 38 da mesma lei. O acórdão foi proferido em 16/05/2011, porém, foi emitido oficio ao Presidente da Assembléia Legislativa, sendo publicado no diário da Justiça , apenas em nome do Secretario do Estado de Rondônia e da Assembléia Legislativa de Rondônia”.

Os advogados explicam que em momento algum foi oportunizado o direito de efetuar defesa, quando da distribuição do feito. “Portanto, resta nítida nulidade processual a ser reconhecida por esta Corte, desde a distribuição da arguição, incluindo o r. acórdão de fls. 561/567, frisando ainda que de todo seu teor pode ser constatado que a matéria é a todo tempo dirigida ao SINTERO (substituídos), de modo que, deveria  o Recorrente/ constar como parte nos autos. O Tribunal de Justiça de Rondônia se manteve inerte quanto a possibilitar o direito ao contraditório, ampla defesa do Recorrente, principalmente no momento do julgamento da arguição de inconstitucionalidade, que inclusive, já havia sido julgada anteriormente. Daí a necessidade do presente Recurso Ordinário.”, afirma a peça processual.

O Sintero entende ainda que, de qualquer forma, a nova decisão de inconstitucionalidade – a citada por Valter- perdeu objeto, uma vez que foi concedido mandado de segurança COM RELAÇÃO À PROGRESSÃO HORIZONTAL AOS SERVIDORES”.

Rondoniagora.com

SIGA-NOS NO Rondoniagora.com no Google News

Veja Também

PROGRESSÃO DE PROFESSORES É INCONSTITUCIONAL; PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA FAZ DENÚNCIAS

Um mandado de segurança, impetrado pelo Sintero em 2.009 acabou se transformando em uma grande dor de cabeça para milhares de servidores da rede es...

Confira a íntegra da Lei Complementar 420, o PCCS da Educação

 LEI COMPLEMENTAR Nº 420, 09 DE JANEIRO DE 2008. DOE. nº  914, de  11/01/008 Alterada pela LC. nº 561, de 03/03/2010 Al...

Confira a íntegra da decisão que declarou inconstitucional a progressão de professores em Rondônia

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA Data de distribuição :15/12/2010 Data de julgamento :16/05/2011 0017022-39.2010.8.22.0000 Arguiçã...

AÇÃO FOI MOTIVADA POR CONIVÊNCIA DE DEPUTADOS; VALTER ARAÚJO CRIA PÂNICO, DIZ SINTERO

Há motivações maiores do que as anunciadas pelo presidente da Assembléia Legislativa, Valter Araújo (PTB) quando foi ao plenário fazer ataques a si...