Rondônia, terça-feira, 23 de julho de 2019
Últimas Notícias   Rondoniagora.com no Facebook Rondoniagora.com no Twitter Rondoniagora.com no Youtube

Cidades

Publicado em Quinta, 18 de Fevereiro de 2010 - 10h12

Clínica interditada vai se adequar, informam autoridades de Ji-Paraná

Prefeitura - Ji-Paraná


Uma reunião convocada para a tarde de ontem, 17, pelo secretário municipal de Saúde, José Batista, serviu para mediar as negociações entre servidores da 1ª Gerência Regional de Saúde e o representante legal da Clineron, clínica prestadora do serviço de hemodiálise em Ji-Paraná, Ariquemes e Porto Velho, na iminência de ser interditada por irregularidades encontradas na fiscalização da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa).

Mesmo não sendo responsável pelo convênio, contrato que é feito direto entre prestadora e o Estado, a Semusa se viu obrigada a atuar como mediadora no caso, uma vez que a situação coloca em risco a vida de 82 pessoas que necessitam da hemodiálise em Ji-Paraná. "Quando se lida com vidas tem que haver um respeito muito grande", disse Batista ao abrir a reunião entre Fernando Ceretta, médico nefrologista dono da Clineron, João Alexandre Pereira, gerente da 1ª Gerência Regional de Saúde em Ji-Paraná, dois inspetores sanitários da Gerência Regional de Saúde, advogada Sirlene Muniz Ferreira e Cândido, procuradora e assessora jurídica da Semusa, e Carlos Antônio Pereira, representante dos pacientes de hemodiálise no município.

A razão pela qual a Clineron pode ser interditada é pela utilização do concentrado de polieletrolítico (solução utilizada no momento da diálise) de fabricação própria, quando, segundo os inspetores da Gerência de Saúde, deveria ser utilizada a solução industrializada.
Ceretta se defendeu dizendo que há quase dez anos fabrica a solução e que há “brecha” na Lei que lhe permite a utilização do concentrado de polieletrolítico de fabricação própria.

O dono da Clineron acatou a determinação dos órgãos fiscalizadores e se comprometeu em adquirir a solução dentro do prazo dado pela Sesau, que é de 12 dias a contar da última segunda-feira, 15, quando inspetores estiveram em Ji-Paraná apreendendo a solução produzida pela própria clínica e deixando no lugar uma quantidade do concentrado industrializado para que não haja a interrupção do serviço.

Carlos Pereira, representante dos pacientes, deixou clara a preocupação com a possibilidade de interrupção do serviço e agradeceu a intervenção do secretário. “Ele (José Batista) já havia conseguido um ônibus para levar a gente para Cacoal para fazer a hemodiálise lá caso a Clineron fosse interditada. Mesmo assim tentou a negociação por entender nossa situação de ter, além da diálise, que já é sofrível, ainda ter que andar 200 quilômetros para fazer o tratamento”, lembrou Pereira.

A operação de fiscalização no serviço de hemodiálise chegou a interditar a Clineron na Capital. Além da Agevisa estão envolvidas na operação a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o Ministério Público e a Polícia Federal.


(Disponível em https://www.rondoniagora.com/cidades/clinica-interditada-vai-se-adequar-informam-autoridades-de-ji-parana)
Rondoniagora.com





2016 © Rondoniagora.com - Jornal Rondoniagora é uma publicação de Central de Jornalismo, Produção, Marketing e Assessoria Ltda. Todo o noticiário, incluindo vídeos, não podem ser publicados, retransmitidos por broadcast, reescritos ou redistribuídos sem autorização escrita da direção, mesmo citando a fonte.

Avenida Guaporé, 4248 - Bairro Igarapé - Porto Velho - RO (69) 3225-9705

Desenvolvido por
Idalus Internet Solutions