Rondônia, 29 de Novembro de 2022
Jornal Rondoniagora
Siga o Rondoniagora

Eleições

CONCORRENDO POR CONTA E RISCO: VOTOS DE CANDIDATOS COM REGISTROS INDEFERIDOS NÃO IRÃO APARECER NA APURAÇÃO EM RONDÔNIA

Domingo, 12 Setembro de 2010 - 17:03 | RONDONIAGORA



A demora no julgamento dos recursos de candidatos impugnados vai ter graves conseqüências em Rondônia. Imagine o seguinte cenário: nenhum dos três principais candidatos consegue maioria absoluta e Expedito Júnior (PSDB), que ainda não tem o registro de candidatura consegue a primeira ou a segunda maior votação nas eleições que acontecem em três semanas. Teoricamente iria para o segundo turno para nova disputa em 31 de outubro certo? Errado. Se não conseguir registro, pode até disputar sub-júdice em 3 de outubro, mas ninguém saberá ao menos sua votação. E mesmo que esteja entre os dois primeiros mais votados na disputa ao Governo, a Justiça Eleitoral será obrigada a homologar os dois que já tem registro. Isso acontece porque a nova lei que rege as eleições foi alterada para complicar a vida dos políticos.  “O candidato cujo registro esteja sub- júdice poderá efetuar todos os atos relativos à campanha eleitoral, inclusive utilizar o horário eleitoral gratuito no rádio e na televisão e ter seu nome mantido na urna eletrônica enquanto estiver sob essa condição, ficando a validade dos votos a ele atribuídos condicionada ao deferimento de seu registro por instância superior”, diz o Artigo 16-A da Lei 9.504, alterada no ano passado. No caso de Expedito Júnior o raciocínio é simples: como pode ter seu registro negado em instância final, como conseguiu disputar o segundo turno? E se seus votos não existirem ao final, haveria justiça em não chamar o terceiro colocado? Para a Lei e a Justiça Eleitoral vale essa máxima: os candidatos sub-júdice concorrem por sua conta e risco, sabendo antecipadamente dessas regras.

O Artigo 169 da Resolução 23218 do TSE regulamenta a situação. E ainda buscando o exemplo de Expedito Júnior se ele tiver mais de 50% dos votos válidos e se o TSE já houver se pronunciado, nova eleição deve ser realizada com os dois remanescentes. “III - Se a nulidade dos votos dados a candidatos com registro indeferido for superior a 50% da votação válida e se já houver decisão do Tribunal Superior Eleitoral indeferitória do pedido de registro, deverão ser realizadas novas eleições imediatamente; caso não haja, ainda, decisão do Tribunal Superior Eleitoral, não se realizarão novas eleições; IV - se houver segundo turno e dele participar candidato que esteja sub- júdice e que venha a ter o seu registro indeferido posteriormente, caberá ao Tribunal Eleitoral verificar se, com a nulidade dos votos dados a esse candidato no primeiro turno, a hipótese é de realizar novo segundo turno, com os outros 2 candidatos mais votados no primeiro turno, ou de considerar eleito o mais votado no primeiro turno; se a hipótese for de realização de novo segundo turno, ele deverá ser realizado imediatamente, inclusive com a diplomação do candidato que vier a ser eleito”.

A mesma resolução determina que os candidatos sub-júdice não poderão ser diplomados e que o presidente do Legislativo assume até a situação se normalizar. “Art. 173. Não poderá ser diplomado nas eleições majoritárias ou proporcionais o candidato que estiver com o seu registro indeferido, ainda que sub-júdice. Parágrafo único. Nas eleições majoritárias, se, à data da respectiva posse, não houver candidato diplomado, caberá ao Presidente do Poder Legislativo assumir e exercer o cargo, até que sobrevenha decisão favorável no processo de registro, ou, se já encerrado esse, se realizem novas eleições, com a posse dos eleitos”.

Proporcionais

Situação delicada também acontecerá com candidatos a deputado federal ou estadual que estiverem sub-júdice. Por exemplo, se os irmãos ficha-suja Natan e Melki Donadon estiverem com registro sub-júdice na data da eleição, seus votos não serão computados, sendo apurados somente os votos dos candidatos que estiverem com registro deferido. “O cômputo, para o respectivo partido ou coligação, dos votos atribuídos ao candidato cujo registro esteja sub- júdice no dia da eleição fica condicionado ao deferimento do registro do candidato. (Incluído pela Lei nº 12.034, de 2009)”, diz o parágrafo único do Artigo 16-A da Lei das Eleições.

Ou seja, no caso dos proporcionais a homologação que ocorrerá após a apuração de 3 de outubro pode ser diferente nos próximos meses. Inicialmente que os votos nem serão computados. Mas e se o STF invalidar as decisões do TSE (que apesar de ainda não terem sido tomadas, devem ser contrárias aos ficha-sujas)? Parlamentares que podem ser considerados eleitos irão cair fora de suas cadeiras antes ou depois de assumirem. São as absurdas leis de nosso país e a infinidade de recursos que geram anomalias como essas.

Rondoniagora.com

SIGA-NOS NO Rondoniagora.com no Google News

Veja Também

NATAN DONADON RECORRE AO STF PARA SUSPENDER EFEITOS DE CONDENAÇÃO E CONCORRER NA ELEIÇÃO

A defesa do deputado federal Natan Donadon (PMDB-RO) ajuizou Ação Cautelar (AC 2721) para suspender os efeitos de decisão do Tribunal de Justiça de...

EM AÇÃO NO STF, NATAN DONADON DIZ QUE TEME DECLARAÇÃO DE NULIDADE DE SEUS VOTOS; CONFIRA ÍNTEGRA DO PEDIDO

Na petição que fez ao STF para obter liminar e assim possa concorrer sem problemas nas eleições do próximo domingo, o deputado federal Natan Donado...

A exemplo de Natan, Marcos Donadon consegue liberação no STJ, mas ainda resta outro processo

Com os mesmos argumentos utilizados pelo irmão Natan, envolvido no mesmo crime, o deputado estadual Marcos Donadon (PMDB) conseguiu no STJ suspende...

CANDIDATO "FICHA SUJA" NÃO TERÁ VOTO TOTALIZADO PELA JUSTIÇA ELEITORAL

Os candidatos que não conseguiram o registro junto à Justiça Eleitoral, em muitos casos devido à Lei da Ficha Limpa, não vão ter a totalização de s...