Rondônia, 03 de Dezembro de 2022
Jornal Rondoniagora
Siga o Rondoniagora

Geral

Caso Valter Nunes: Acusados de matar advogado têm júri anulado pelo TJRO e vão a novo julgamento

Sexta-feira, 28 Abril de 2017 - 14:26 | do TJRO


Caso Valter Nunes: Acusados de matar advogado têm júri anulado pelo TJRO e vão a novo julgamento

Os réus Cássio de Jesus Claro, Vera Lúcia Nunes de Almeida, Sóstenes Alencar Ferreira e Jonas de Freitas, serão levados a novo julgamento pelo Tribunal do Júri da comarca de Cacoal. O novo julgamento deve-se à decisão colegiada proferida pelos desembargadores da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Rondônia, que anulou o julgamento de todos acusados de terem matado Valter Nunes de Alencar Almeida, que era advogado e esposo de Vera Lúcia. A decisão foi sobre um recurso de apelação criminal proposto pelo Ministério Público Estadual contra a decisão do Juízo de 1ª grau.



Consta que Vera Lúcia e Sóstenes Alencar contrataram Jonas de Freitas e Cássio de Jesus Claros, por 300 mil reais, para matarem a vítima, Valter Nunes de Alencar Almeida, o qual foi assassinado em seu escritório de advocacia, situado na cidade de Cacoal. Consta no relatório da 2ª Câmara Criminal que, no dia do crime, Jonas Freitas telefonou para o escritório da vítima e agendou um horário para ser atendido. Por volta das 14h50min, do dia 30 de março de 2007, Jonas e seu comparsa Cássio chegaram numa motocicleta no local, Jonas de posse de uma arma de fogo, dirigiu-se até à sala da vítima e efetuou vários disparos contra a vítima.

Para o relator, desembargador Valdeci Castellar Citon, “não cabe ao juiz presidente do Júri proferir decisão de mérito acerca da absolvição ou condenação de réu, pois esta é uma competência exclusiva do conselho de sentença; o juiz singular (que presidiu o Júri) só poderia proferir sentença monocrática no caso de desclassificação de delito reconhecida pelo conselho de sentença, conforme preleciona o art. 492, §1º, do CPP. E, no caso, após a absolvição do réu Jonas de Freitas, cabia ao magistrado dar início às séries seguintes de votação, submetendo ao crivo dos jurados a análise da conduta dos réus Vera Lúcia, Cássio de Jesus e Sóstenes Alencar, e somente o conselho de sentença poderia absolvê-los ou condená-los, o que não ocorreu.

Consta que Vera Lúcia e Sóstenes Alencar contrataram Jonas de Freitas e Cássio de Jesus Claros, por 300 mil reais, para matarem a vítima, Valter Nunes de Alencar Almeida, o qual foi assassinado em seu escritório de advocacia, situado na cidade de Cacoal. Consta no relatório da 2ª Câmara Criminal que, no dia do crime, Jonas Freitas telefonou para o escritório da vítima e agendou um horário para ser atendido. Por volta das 14h50min, do dia 30 de março de 2007, Jonas e seu comparsa Cássio chegaram numa motocicleta no local, Jonas de posse de uma arma de fogo, dirigiu-se até à sala da vítima e efetuou vários disparos contra a vítima.

A Apelação Criminal n. 0000671-44.2017.8.22.0000, foi julgada no dia 19 de abril de 2017, e publicada no Diário da Justiça desta sexta-feira, 28.

Rondoniagora.com

SIGA-NOS NO Rondoniagora.com no Google News

Veja Também

OAB lembra um ano do assassinato de Valter Nunes e lamenta impunidade

O dia 30 de março de 2007 foi marcado com o sangue de um operador do Direito na cidade de Cacoal (RO). O advogado Valter Nunes de Almeida foi assas...

Suspeito de mandar matar advogado Valter Nunes também teria coagido testemunhas

Sostenes Alencar Ferreira, 35 anos, empresário do ramo atacadista, teve sua prisão preventiva decretada, nesta quarta-feira (6) pelo juízo da 1ª Va...

Juiz recebe denúncia no processo que apura morte do advogado Valter Nunes

O juiz substituto Paulo José do Nascimento Fabrício, que responde atualmente pela 1ª Vara Criminal da Comarca de Cacoal (RO), recebeu nesta sexta-f...

Caso Valter Nunes: Juiz nega tramitação do processo em segredo de justiça

O pedido de segredo de justiça na tramitação do processo contra Cássio de Jesus Claros e Jonas de Freitas, acusados de matar o advogado Valter Nune...