Rondônia, sábado, 21 de julho de 2018
Últimas Notícias   Rondoniagora.com no Facebook Rondoniagora.com no Twitter Rondoniagora.com no Youtube

Artigos

Publicado em Sexta, 09 de Julho de 2010 - 15h43

Copa do Mundo de 1950, do Estádio do Maracanã ao Aluízio Ferreira

Tadeu Fernandes


Copa do Mundo de 1950, do Estádio do Maracanã ao Aluízio Ferreira

Lembro-me com perfeição quando, aos cinco anos de idade, exatamente no dia 16 de Julho de 1.950, meus Pais se preparavam para torcer pelo Brasil na final do Campeonato Mundial de Futebol, partida realizada no Estádio do Maracanã. Meu Pai, dentista e delegado, minha Mãe diretora e professora de colégio. Todos os sete filhos vestiam a melhor indumentária, portando bandeirinhas do Brasil. Entramos no carro da Família e fomos para o campo de futebol em Orleans, Santa Catarina. Neste mesmo dia o Palmeiras de Pindotiba disputava um jogo de futebol pela liga Cidade Azul de Tubarão. Meu Pai já foi uniformizado, era o capitão do time, usando um gorrinho porque a bola era de capotão e muito pesada. O Presidente do Clube era o “seu” Victorino, chefe da Estrada de Ferro Tereza Cristina.

Chegamos ao campo e meu Pai, com a o auxílio dos filhos e de minha Mãe, fixou uma antena entre o ônibus e o carro para escutarmos o jogo final da Copa do Mundo. O seu Quintino vinha a todo instante na beira do gramado para saber o resultado. Com os fogos e as bandeiras agitadas marcamos o primeiro gol feito por Friaça, a um minuto de jogo do segundo tempo, para a tristeza do goleiro Maspoli do Uruguai.

Acabávamos de sair da Segunda Guerra Mundial e o Brasil aceitou organizar a competição fora da Europa, apresentando-se como único candidato, com concordância de Jules Rimet. Aqui foi erguido o maior estádio do mundo. Rivais tradicionais como a Argentina e França não vieram. Antes da final goleamos a Suécia por 7 a 1 e a Espanha por 6 a 1.

Confiamos em Barbosa, um grande goleiro, mas os gols dos uruguaios Schiafino e Ghigia transformaram a festa em tragédia e Barbosa nunca mais se recuperou.

Com mais de 200 mil torcedores, o Maracanã emudeceu. Das trinta e quatro seleções inscritas seis desistiram e outras não vieram, assim houve a participação de somente 13 seleções. O Uruguai goleou a Bolívia de 8 a 0, indo para o turno final. A Itália, campeã em 1934 e 1938, veio para conquistar o terceiro título, o que daria a posse definitiva da taça. Enfraquecidos pela ausência dos campeões do Torino, mortos em um desastre aéreo em 1949, acabou sendo eliminada pelos suecos, indo para as finais, em disputa direta, Brasil e Uruguai, Espanha e Suécia.

O Brasil já havia goleado os suecos e espanhóis e o Uruguai conseguiu, com enorme sacrifício, empatar com a Espanha por 2 a 2.

O Brasil entrou na final já como campeão. No Maracanã lotado, com enorme euforia a festa já havia sido encomendada, nós precisávamos apenas do empate.

A vitória de virada do Uruguai por 2 a 1 foi a primeira injustiça na Copa. Em silêncio absoluto e muito choro o público deixou o estádio sem acreditar que o melhor time do mundo não havia sido campeão. O que foi remetido com a seleção da Hungria de Puscas, um timaço quase imbatível que perdeu para a Alemanha em 1954. Com o carrossel da Holanda de Cruyff de 1974. Com o timaço da Holanda na Argentina em 1978. Com o Brasil de Zico de 1982.
O Brasil jogou com Barbosa, Augusto e Juvenal, Bauer, Danilo e Bigode, Friaça, Zizinho, Ademir, Jair da Rosa Pinto e Chico. Técnico Flávio Costa.

Após o jogo as bandeirolas foram enroladas, o rádio desligado, os filhos do seu Quintino e Dona Malvina entraram no carro e voltaram para casa, meu Pai chorando e todos tentavam consolá-lo. A volta foi um caminho triste apesar da vitória do Palmeiras de Pindotiba sobre o Orleans.

A vida continuou e seu Quintino, que era apaixonado pelo esporte, teve três filhos que jogavam futebol e ele como técnico em Alto Paraná, Norte do Paraná. Viu ainda o Brasil ser tetracampeão e teve muitas alegrias com o esporte bretão. Residiu com sua Malvina mais de dez anos em Porto Velho e não perdia um jogo do Ferroviário, vivendo muitas alegrias com o futebol e aqui repousa eternamente com sua amada depois de 60 anos de vida em comum.
No dia 16 de julho completarão 60 anos do desastre do Maracanã. Mas durante todos estes anos vibramos muito e tivemos muitas alegrias. Somos os maiores campeões.

Não estarão decidindo Brasil e Uruguai. Apesar dos pesares, por ter sido injustiçada em duas decisões mundiais os Deuses do Futebol certamente estenderão suas graças para os “camisas laranjadas”, que conseguiram dominar os mares e ter feito grande parte do seu território através dos diques. Quando estive em Amsterdam vi uma placa que dizia: “Deus fez o mundo e os holandeses a Holanda”.

A próxima Copa do Mundo será no Brasil e devemos nos preparar, desde já, convocando jogadores jovens que estarão na idade ideal daqui a quatro anos. Desta vez não estaremos acompanhando os jogos ouvindo em radinhos, mas com alta tecnologia teremos competência e humildade para preparar uma seleção que nos dê orgulho de sermos brasileiros.

Enquanto isso Rondônia gatinha no futebol. Não temos um estádio que possa ensejar a formação de grandes equipes para disputar campeonatos brasileiros. Devemos cobrar dos candidatos a governador a construção deste empreendimento que certamente virá ao encontro de nossas grandes aspirações, ainda que infelizmente tarde, muito tarde.


   
 

Tadeu Fernandes
Advogado


Rondoniagora.com





2016 © Rondoniagora.com - Jornal Rondoniagora é uma publicação de Central de Jornalismo, Produção, Marketing e Assessoria Ltda. Todo o noticiário, incluindo vídeos, não podem ser publicados, retransmitidos por broadcast, reescritos ou redistribuídos sem autorização escrita da direção, mesmo citando a fonte.

Avenida Guaporé, 4248 - Bairro Igarapé - Porto Velho - RO (69) 3225-9705

Desenvolvido por
Idalus Internet Solutions