Rondônia, quinta-feira, 16 de agosto de 2018
Últimas Notícias   Rondoniagora.com no Facebook Rondoniagora.com no Twitter Rondoniagora.com no Youtube

Artigos

Publicado em Quarta, 08 de Abril de 2015 - 09h40

Depressão derruba avião nos Alpes?

Serafim Godinho


Há algumas décadas os doentes mentais eram discriminados e internados em instituições, chamadas manicômios, verdadeiras prisões em que as pessoas eram deixadas e abandonadas, até a morte, que em geral ocorria em poucos anos. O único tratamento era o eletro choque, cruel, repulsivo e dolorido. A opção era pior. A lobotomia, uma cirurgia do cérebro que transformava a pessoa em Robô.

A liberação dos pacientes e extinção dessas instituições desumanas veio com o desenvolvimento das ciências médicas com a descoberta de medicamentos e o tratamento diferenciado para cada caso, inserindo o paciente em seu seio familiar, social e tornando-o apto a ter um trabalho digno.

Esse acidente, em que o co-piloto com o diagnóstico e histórico de doença depressiva, derrubou sua aeronave com 150 vidas nas montanhas geladas dos Alpes Franceses, foi devastador para todos os familiares e amigos das vítimas; mas fez outro estrago, a volta da discriminação das doenças mentais.

A mídia, do mundo inteiro fala desse distúrbio, atestado pelos médicos, mas escondido por ele. É necessário que se diga que a pessoa com depressão, com os medicamentos antidepressivos, as chamadas pílulas da felicidade, aliada a terapia, se cura e não oferece nenhum risco a outros. É lógico que há caso em que a depressão é tão intensa que pode levar a pessoa ao suicídio, mas sem fazer nenhum mal a outros, que não a si.

Três dos principais grupos ativistas de saúde mental da Inglaterra – divulgaram um comunicado em conjunto condenando a "especulação difundida" a respeito da condição do co-piloto, dizendo que as manchetes contribuem "para o estigma que já existe ao redor dos problemas de saúde mental".
"Todo mundo está tentando entender o que aconteceu neste acidente terrível com o avião, mas há um perigo real de que a correlação que está sendo feita entre depressão e este ato seja muito simplista e não tenha provas suficientes", disse Paul Farmer, diretor executivo do Mind, à BBC.
"A impressão que se dá é a de que as pessoas com depressão podem ser perigosas, e não há nenhuma prova disso. Há milhares de pessoas que trabalham em cargos estressantes e importantes que lutam contra a depressão e fazem seus trabalhos muito bem." É importante que esse triste acidente não faça as pessoas confundirem pessoas deprimidas com assassinos.

Preconceitos estigmatizantes são fruto da ignorância e de uma consciência social moralmente negativa. São ainda grandes os obstáculos que os doentes que sofrem ou sofreram de doenças mentais têm de desafiar e ultrapassar, em seu caminho para uma recuperação.
Tornando-nos mais atentos às doenças mentais, podemos contribuir para criar as merecidas oportunidades a estas pessoas, permitindo-lhes levar uma vida normal e um regresso à comunidade como membros produtivos, autoconfiantes e capazes de desenvolverem todo o seu potencial. Que esse acidente, não seja um pretexto para aumentar esses preconceitos já existentes. Doença mental é com freqüência relacionada com o mendigo que perambula  pelas ruas, que fala sozinho, com aquele que comete um assassinato  e para se safar diz  ter várias personalidades  e com o homicida “louco” que aparece nos filmes.

Palavras como maluco, esquizofrênico, psicopata e maníaco, são vulgarmente utilizadas na linguagem do dia-a-dia.

As pessoas olham-se e dizem: “Isto não me vai acontecer de modo nenhum, não sou maluco, venho de uma família sólida”, ou, então, “ a doença mental não me afeta, isso é problema dos outros.”
O Estigma relacionado com a doença mental provém do medo do desconhecido, dum conjunto de falsas crenças que origina a falta de conhecimento e compreensão

A  seguir os sintomas dos diversos tipos de doenças mentais: Depressão é uma doença mental que pode afetar o humor durante longos períodos de tempo. Os sintomas incluem: perturbação do apetite e do sono, fadiga e perda de energia, sentimentos de inutilidade, culpa e incapacidade, falta de concentração e preocupação com a morte, desinteresse, apatia e tristeza.

A Depressão pode afetar pessoas de todas as idades, desde a infância à terceira idade e, sem tratamento, pode conduzir ao suicídio, sem levar a morte de outros.

A Doença Maníaco-Depressiva ou Doença Bipolar é também uma doença mental caracterizada por oscilações do humor, havendo períodos de extrema exaltação e outros de depressão profunda.
A fase maníaca manifesta-se por um comportamento hiperativo, com euforia ou irritabilidade,  insônia, discurso e pensamento rápido e, por vezes, idéias de grandeza.

A Esquizofrenia é uma doença mental grave e crônica que, sem tratamento, impossibilita a pessoa de se comportar normalmente na família, no trabalho e na comunidade.

Os sintomas incluem: - Alucinações, delírios ou falsas crenças patológicas que não são inteligíveis pela razão, pensamento desorganizado, alterações dos hábitos, das emoções, do juízo crítico e de vontade.

A pessoa que sofre de esquizofrenia pode falar incoerentemente, deixar de falar, ter respostas emocionais inadequadas, humor embotado ou neutro, ausência de respostas emocionais ou períodos longos de exaltação ou depressão, idéias de perseguição e grandeza ou outras de conteúdo fantástico. Com um tratamento farmacológico adequado, grande parte destes sintomas atenua-se ou desaparecem.

Por último as perturbações ansiosas, fobias, pânico e obsessivos- compulsiva.

As pessoas com Fobias sentem imenso terror quando confrontadas com situações específicas, estarem em locais superlotados ou tiver de falar em público ou lidar certos objetos  ou animais.
As fobias podem impedir a pessoa de ter uma vida normal, obrigando  o indivíduo a fazer adaptações na Atividade diária, evitando essas situações ou objetos.

A Perturbação do Pânico é caracterizada pelo aparecimento repentino de um sentimento de terror (pânico), sem causa aparente. Durante o ataque de pânico, a pulsação aumenta, a respiração torna-se rápida e o doente pode suar ou ficar com vertigens. A pessoa passa a recear constantemente que as crises se repitam.

Quem sofre de Doença Obsessivo-Compulsiva tem pensamentos repetitivos, persistentes, involuntários, de conteúdo estranho ao Eu e a propensão a comportamentos ritualizados, que o doente não consegue controlar, tais como lavar constantemente as mãos, verificar repetidas vezes, contar, arrumar...

A Anorexia Nervosa e a Bulimia são doenças do comportamento alimentar, em ligação com a imagem corporal e o controle do impulso alimentar.  Podem ser graves.

Na Anorexia o doente não come, chegando a passar fome, devido a uma distorcida imagem corporal, que lhe causa aversão à comida.
A Bulimia é um ciclo de “encher” (consumindo grandes quantidades de comida) e “purgar” (quer induzindo o vômito quer pelo abuso de laxantes).

Quem sofre de Anorexia ou Bulimia tem uma preocupação excessiva com a comida e um medo irracional de ficar gordo. 90% dos doentes com Anorexia e Bulimia são do sexo feminino.

O  importante  é entender que os doentes mentais são pessoas como todas as outras. E que as doenças se tratam, como as outras. As pessoas deverão ser julgadas pelos seus méritos próprios, e não pela doença de que sofrem e pelo estigma a ela ligado. E ainda, como vimos há diferentes doenças. As mais graves, a esquizofrenia e a psicose maníaca depressiva são facilmente reconhecidas e alguém com estes sintomas nunca estaria assentado na poltrona de co-piloto. Quanto ao psicopata, que tem instintos assassinos, nunca  fere a si próprio e suicídio seria a sua ultima alternativa.Portanto na queda desse avião pode –se imaginar e pensar em vários motivos, nunca em na teoria simplista e única de depressão.

 Pensamento da semana

Ao ler este texto você pode estar sofrendo, fique tranqüilo, garanto que vai passar. Sei que dói, é horrível, parece que não vai suportar que não tem solução. Mas sempre tem e você vai aguentar. Parece que vai explodir, mas não explode. Sei que seu desejo é abrir um zíper nas costas e sair do corpo, porque dentro de você, nesse momento não é um bom lugar para ficar. Fernando Pessoa definiu esse momento pelo qual todos passamos., “Hoje não há mendigo que eu não inveje, só por não ser eu”. Dor é assim mesmo e neste contexto incluo a pior delas, a dor de cotovelos, do coração partido e desiludido. Mas acredite assim como não há felicidade que dure para sempre. O mesmo ocorre com o sofrimento. O tempo é o melhor remédio, e o que não tem solução, solucionado está. E você acabará descobrindo novos amores, novos sabores, confirmando a sabedoria popular: a fila anda. E além do mais, quem disse que se deve ser feliz para sempre? Ninguém o é. Vinícius de Morais traduziu isso em uma canção. “É melhor viver do que ser feliz” Agora confesse você já está melhor, entendeu o valor de estar vivo, e que há luz no final do túnel.


Rondoniagora.com





2016 © Rondoniagora.com - Jornal Rondoniagora é uma publicação de Central de Jornalismo, Produção, Marketing e Assessoria Ltda. Todo o noticiário, incluindo vídeos, não podem ser publicados, retransmitidos por broadcast, reescritos ou redistribuídos sem autorização escrita da direção, mesmo citando a fonte.

Avenida Guaporé, 4248 - Bairro Igarapé - Porto Velho - RO (69) 3225-9705

Desenvolvido por
Idalus Internet Solutions