Rondônia, quarta-feira, 22 de agosto de 2018
Últimas Notícias   Rondoniagora.com no Facebook Rondoniagora.com no Twitter Rondoniagora.com no Youtube

Artigos

Publicado em Terça, 11 de Novembro de 2008 - 13h08

COMPENSAÇÕES PARA CONSTRUÇÃO DAS USINAS - Por Tadeu Fernandes

Tadeu Fernandes


O município de Porto Velho, em especial sua área urbana e seus habitantes, foi muito esquecido pelos governantes e bancadas representativas, quer na assembléia como no congresso nacional. Isso parece se justificar em razão do interior do Estado possuir dois terços dos eleitores, conseguindo eleger a sua maioria política e o próprio governador, que naturalmente tem seus olhos voltados para a massa eleitoral de maior intensidade, Nada contra os pujantes e importantes municípios do interior, tanto é verdade que durante o governo de Jerônimo Santana fui presidente da comissão que tratava da mudança da Capital para o Interior, tendo sido feito um grande trabalho nesta direção e por pouco não foi aprovada a mudança.

As terras do município de Porto Velho não são as mais adequadas para os produtos agrícolas, não temos receitas tributárias e indústrias de médio e grande porte. Nossas riquezas, a cassiterita e ouro também não produziram riquezas que reverteram em benefício da população durante todos estes anos. Os poucos investimentos nas áreas de saneamento básico, saúde e educação foram aquém do que era necessário. Dezenas de bairros foram criados, bastando dizer que a cidade praticamente terminava no mercado do “um” quando aqui cheguei, o que não faz muito tempo. Assim, as verbas federais e os investimentos do governo estadual, na grande maioria, migraram para o Interior. Nada contra essa aritmética política e muito menos contra estes municípios que se beneficiaram, pois seus representantes estavam, como estão, certíssimos em defender seus interesses

A riqueza maior que o município de Porto Velho possui é o Rio Madeira, que possibilita a navegação fluvial até Belém, com seu terminal portuário despachando quase toda a produção de Rondônia e de outros estados, apesar de resultar em pequena renda tributária.

Com a construção das usinas de Jirau e Santo Antonio, os portovelhenses esperavam que sua riqueza maior alavancasse os investimentos públicos em várias áreas onde a Capital é carente, mesmo porque dentro das unidades federativas cada município recebe os rendimentos das riquezas encravados nos seus territórios. A construção das hidrelétricas obviamente resulta em degradação ambiental e modificação da sua flora e fauna, diminuição do seu tamanho territorial e retirada dos habitantes ribeirinhos, resultando em termos de ajustamentos e compensações financeiras, tendo as empresas construtoras obrigações firmadas no licenciamento ambiental expedido pelo IBAMA.

Leio nos jornais que grande parte destas verbas de compensação será destinada às cidades do Interior do Estado. Repito, mérito para os seus políticos e suas populações, mas o cidadão de Porto Velho se sente desprotegido, além de órfão de representação política. Seria o mesmo que Porto Velho receber verba tributária de Pimenta Bueno na exploração de diamantes e de Cacoal na sua produção de café. Os habitantes da Capital estão entregando a sua principal riqueza, as águas de seu maio rio, para gerar energia para o Brasil e Países da América do Sul, haverá perdas no seu ecossistema.

O que se exige são os investimentos a serem feitos em seu território, pois esta unidade política do Estado não pode renunciar ao seu sagrado direito de ter todas as verbas de compensação investidas em beneficio de sua população. Se nossos representantes assim não procederem, estarão descumprindo obrigações assumidas perante seus eleitores, além de não proteger a aplicação correta que as empreiteiras assumiram quando da concessão da construção das usinas. É visível a chegada de milhares de imigrantes, também o aumento de construções de prédios e de veículos circulando. Mas o saneamento básico continua precário, o sistema viário caótico, falta quase tudo, não temos um modelo adequado de transporte público, nem mesmo de circulação de ônibus, e nada da construção da nova estação rodoviária. Faltam áreas de lazer, projetos de habitação popular. Grandes prédios estão sendo construídos sem que sejam efetivamente iniciadas obras para o tratamento de esgoto. A saúde pública precisa de muito investimento. Ou seja, temos quase tudo por fazer e não há como abrir mão de direitos expressamente estabelecidos com as construtoras das usinas hidrelétricas, sendo as verbas usadas por outros municípios. Tal situação não pode prosperar sob pena de mais uma vez serem penalizados os habitantes da Capital, já em combalida situação certamente por seu menor número de representantes políticos.

Que se façam investimentos eqüitativos em todos os municípios que também merecem todo atendimento dos poderes públicos, cidades do Interior que crescem e contribuem para o desenvolvimento do Estado, o que muito nos orgulha, registrando somente que as verbas de compensação das usinas deverão reverter exclusivamente para unidade política do Estado que possui essa riqueza que é justamente o rio Madeira. Dele é que poderá fazer os investimentos necessários para propiciar e oferecer saúde, segurança e educação aos milhares de habitantes que para cá virão em razão da construção das usinas do Madeira. Com a palavra nossos políticos e agentes públicos que estão investidos do dever de defender os interesses de seus habitantes, não permitindo o perecimento das esperanças de que o nosso futuro seja melhor.

Tadeu Fernandes é Advogado

Rondoniagora.com





2016 © Rondoniagora.com - Jornal Rondoniagora é uma publicação de Central de Jornalismo, Produção, Marketing e Assessoria Ltda. Todo o noticiário, incluindo vídeos, não podem ser publicados, retransmitidos por broadcast, reescritos ou redistribuídos sem autorização escrita da direção, mesmo citando a fonte.

Avenida Guaporé, 4248 - Bairro Igarapé - Porto Velho - RO (69) 3225-9705

Desenvolvido por
Idalus Internet Solutions