Rondoniagora.com

Rondônia, 06 de Outubro de 2022
Banner
Siga o Rondoniagora

Artigos

Consentimento continuado

Sábado, 11 Dezembro de 2010 - 10:32 | Cândido Ocampo


O avanço da civilização humana no último século, principalmente em relação à dignidade da pessoa, impôs a todos novo modelo de convivência social, tanto nas relações diretas quanto nas inter-relações. Na relação médico-paciente não foi diferente, e nem poderia, sendo a medicina profissão de alto caráter humanístico. No plano prático, um dos reflexos mais acentuados foi a imposição da participação efetiva do paciente nas decisões terapêuticas a que deva ser submetido.

O princípio da autonomia (ou da liberdade) determina que o paciente deva ser o protagonista de seu destino, devendo o médico informá-lo e  conscientizá-lo das possibilidades do tratamento, dos seus riscos e possíveis benefícios, a ponto de torná-lo capaz de decidir livremente o que lhe convier. Logicamente que esta ordem não vale em casos de risco iminente de vida, quando, então, cabe ao médico, excepcionalmente, tomar as rédeas da situação e realizar o procedimento que a urgência exigir, sem necessidade de ouvir o paciente ou seu representante legal. No entanto, há casos que o primeiro consentimento dado pelo paciente (consentimento primário) não abre as portas para qualquer procedimento ser realizado sem que seja ele novamente consultado.

O consentimento de internação, por exemplo, não é um salvo conduto para o médico realizar qualquer terapia durante sua permanência nosocomial. Até porque cada procedimento tem seu grau de risco e possibilidades de sucesso, além dos anseios, perspectivas e expectativas pessoais de cada indivíduo, idiossincrasia que justifica nova consulta à vontade do doente ou seu representante legal sempre que houver mudanças significativas nas condutas terapêuticas.

Esses consentimentos continuados (ou secundários) tornam-se necessários, mormente em casos cuja gravidade da nosologia exige tratamentos longos e penosos, envolvendo equipes multidisciplinares, de várias especialidades médicas, e revela-se de grande importância nos dias atuais, onde os conflitos entre médicos e pacientes tendem a agudizar-se. É o preço da modernidade.

O autor é advogado atuante no ramo do Direito Médico.
candidoofernandes@bol.com.br

Rondoniagora.com

SIGA-NOS NO Rondoniagora.com no Google News

Veja Também

Desagravo público

É incontroverso que nos últimos anos a classe médica vem sendo alvo de execração pública. Este fenômeno que ocorre em todo Brasil deu-se início pri...


Telemedicina

É inegável que o avanço tecnológico testemunhado nas últimas décadas, principalmente da Cibernética, tornou possível realidades antes jamais imagin...


Diretoria técnica e clínica

Todas as unidades hospitalares em atividade no território brasileiro, pública ou privada, têm que necessariamente constar em seus organogramas a di...


Honorários médicos

Já se disse que a maioria das profissões possui natureza tridimensional quanto à sua estrutura: a dimensão mercantil, a tecnocientífica e a ética. ...