Rondônia, sábado, 18 de novembro de 2017
Últimas Notícias   Rondoniagora.com no Facebook Rondoniagora.com no Twitter Rondoniagora.com no Youtube

Artigos

Publicado em Sexta, 07 de Março de 2008 - 18h42

DIREITO NA MEDICINA – POR CÂNDIDO OCAMPO - Prontuário “do paciente”

CÂNDIDO OCAMPO


Sendo o Prontuário um dos documentos mais importantes no exercício da medicina, é no mesmo que devem ser registradas todas as informações relativas ao paciente. Além da nosologia, devem constar detalhadamente toda a terapêutica e evolução da patologia do doente. Inexplicavelmente, a experiência nos mostrou que poucos são os profissionais médicos que se preocupam em elaborar de forma cuidadosa e com zelo o Prontuário. Tal postura revela-se injustificável, pois é no mesmo que o bom profissional vai encontrar sua primeira trincheira de defesa, caso surja qualquer acusação de não cumprir corretamente com suas obrigações.
Nas demandas judiciais em que o médico é acusado de negligente ou imperito, um Prontuário bem elaborado que registre de forma clara e detalhada a conduta do profissional perante o seu paciente, constando a hora do atendimento, as prescrições e o acompanhamento pode significar a diferença entre a condenação e a absolvição.
Recebendo uma denominação equivocada, pois o “Prontuário Médico” não registra apenas a anamnese do paciente, mas inclui todo o seu acervo documental que vai de resultados de exames clínicos às fichas de ocorrências e relatórios de enfermagem e de outros profissionais de saúde, o referido documento deveria ser chamado com muito mais precisão de “Prontuário do Paciente”, pois a este pertence todas as informações nele constantes. E é exatamente nesse ponto que não é raro surgir impasses entre pacientes ou seus familiares e unidades de saúde.
É freqüente pacientes reclamarem de hospitais que negam acesso aos seus respectivos Prontuários, sob a alegação de que o documento pertence ao nosocômio.
Sem razão os hospitais que assim agem, pois qualquer que seja o nível do enfoque, todas as informações contidas no Prontuário pertencem ao paciente, como forma de garantia de seus interesses. É neste sentido o regramento constante no artigo 70 do Código de Ética Médica que diz que “é vedado ao médico negar ao seu paciente acesso ao seu prontuário médico, ficha clínica ou similar, bem como deixar de dar explicações necessárias à sua compreensão, salvo quando ocasionar riscos para o paciente ou para terceiro”.
Vejam que, à exceção posta, os médicos ou as unidades hospitalares são obrigados a fornecerem aos pacientes, ou aos seus representantes legais, todas as informações insculpidas nos respectivos Prontuários.
Por outro lado, não é errado querer que os originais dos Prontuários permaneçam nas unidades hospitalares, pois os mesmos são documentos de manutenção permanente destes. Diante do impasse, resolve-se a questão com a entrega formal ao paciente de uma cópia do seu Prontuário, disponibilizando-lhe as informações que de direito lhe pertencem.

Cândido Ocampo, advogado atuante no ramo do Direito Médico.

candidoofernandes@bol.com.br


Rondoniagora.com





2016 © Rondoniagora.com - Jornal Rondoniagora é uma publicação de Central de Jornalismo, Produção, Marketing e Assessoria Ltda. Todo o noticiário, incluindo vídeos, não podem ser publicados, retransmitidos por broadcast, reescritos ou redistribuídos sem autorização escrita da direção, mesmo citando a fonte.

Avenida Guaporé, 4248 - Bairro Igarapé - Porto Velho - RO (69) 3225-9705

Desenvolvido por
Idalus Internet Solutions