Rondônia, quarta-feira, 22 de agosto de 2018
Últimas Notícias   Rondoniagora.com no Facebook Rondoniagora.com no Twitter Rondoniagora.com no Youtube

Artigos

Publicado em Terça, 09 de Junho de 2009 - 20h04

Enquanto servidores fazem paralisação 33.000 buscam vagas

Decom


Enquanto servidores fazem paralisação mais de 33.000 pessoas se inscreveram para o concurso público da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau). O Governo de Rondônia está oferecendo 1.140 vagas para áreas de níveis fundamental, médio e superior. As provas acontecem no dia 21 de junho em Porto Velho e em seis cidades do interior. Um dos principais atrativos são os salários. Como exemplo, farmacêuticos e enfermeiros receberão R$ 2.276,20. Para cargos de nível técnico R$ 1.163,48. Para os cargos de engenheiro o salário é de R$ 5.069,59. Para os médicos com carga horária de 40 horas o Estado pagará R$ 9.050,00.

“Parece uma contradição, pois no momento em que passamos por paralisações de servidores que reclamam do governo, mais de 33.000 pessoas buscam entrar no serviço público estadual. Essa busca é voltada para a estabilidade de emprego, carreira profissional e também pelos salários oferecidos e pela garantia de recebimento. Além desses fatores o Governo de Rondônia também está investindo nas condições de trabalho dos servidores”, afirmou Milton Moreira, secretário de Estado da Saúde.

O Governo de Rondônia vai investir R$ 35 milhões na ampliação do Hospital de Base Ary Pinheiro (HB) e na reconstrução total do Hospital Infantil Cosme e Damião (HICD) e da A Policlínica Oswaldo Cruz (POC). Também serão comprados novos equipamentos para as unidades. O objetivo é melhorar as condições de trabalho e de atendimento. O governo também retomou as obras do Hospital Regional de Cacoal (HRC). No João Paulo II foram gastos mais de R$ 7 milhões em reformas e equipamentos.

Esse ponto também é questionado pelos grevistas. Eles pedem que o governo dê estrutura de trabalho. “Mas estamos fazendo isso, os investimentos são com esse objetivo. Temos os servidores como nossos parceiros. Reintegramos e ampliamos o quadro de funcionários, fizemos o acordo do Plano Bresser e ao contrário do passado, pagamos os salários em dia. Nunca foi investido tanto em pessoal e estrutura pública de Saúde. O Governo do Estado está fazendo a parte dele”, disse Milton Moreira.

Os grevistas querem que o governo assine o plano de cargos e salários dos servidores. Porém para o Estado, o aumento de salário enfrenta dificuldades que não são de responsabilidade do governo. “Vivemos um momento de contenção econômica e sofremos com a falta de atendimento por parte das prefeituras, principalmente a de Porto Velho. Se nossos recursos não fossem investidos para fazer a Saúde que a capital não faz, teríamos mais condições de atender reivindicações salariais”, declarou o secretário.

Para não deixar a população sem atendimento o Governo do Estado é obrigado a assumir a responsabilidade da prefeitura de Porto Velho. Isso pode ser comprovado pelos números de serviços de baixa complexidade realizados pelas unidades do Estado. O principal exemplo da falta de serviços oferecidos pela prefeitura está no Hospital e Pronto-Socorro Estadual João Paulo II (JPII). A unidade sofre constantemente com a superlotação. Porém a maioria das pessoas que fica em corredores não deveria estar sendo atendida no JPII e sim nos Postos de Saúde e Policlínicas da prefeitura.

Os números comprovam o problema. De janeiro a abril de 2009 foram realizados mais de 21 mil atendimentos. Deste total, 10.153 foram de atendimentos ambulatoriais de pacientes da capital. O JPII é uma unidade de urgência e emergência, mas a população procura o hospital para serviços como casos de virose, inalação, febre e dores de cabeça. Muitas pessoas também vão à unidade para pequenas suturas ou utilização de uma simples sonda.

“Até quando o Governo do Estado vai ter que fazer o papel da prefeitura da capital? Onde estão os investimentos do município? Onde será construído o hospital da prefeitura? Por que os postos de saúde e as policlínicas não suportam o atendimento básico? O João Paulo II está com 50% da capacidade comprometida com serviços básicos. Essa porcentagem é muito alta para uma unidade de emergência. Com a greve essa situação piorou, pois agora pacientes da atenção básica estão sem atendimento no João Paulo. A maioria está voltando pra casa doente, porque no município não encontra tratamento”, explicou o secretário da Sesau.

Rondoniagora.com





2016 © Rondoniagora.com - Jornal Rondoniagora é uma publicação de Central de Jornalismo, Produção, Marketing e Assessoria Ltda. Todo o noticiário, incluindo vídeos, não podem ser publicados, retransmitidos por broadcast, reescritos ou redistribuídos sem autorização escrita da direção, mesmo citando a fonte.

Avenida Guaporé, 4248 - Bairro Igarapé - Porto Velho - RO (69) 3225-9705

Desenvolvido por
Idalus Internet Solutions