Rondônia, 26 de Novembro de 2022
Jornal Rondoniagora
Siga o Rondoniagora

Artigos

Levantamento Assocon: Confinadores podem aumentar produção em 2%

Sexta-feira, 15 Abril de 2016 - 12:56 | Juliana Villa Real


De acordo com a pesquisa realizada pela Associação Nacional dos Confinadores – Assocon, os seus associados demonstram que podem aumentar em 2% o volume de gado confinado em relação a 2015, quando foram confinados 731.120 animais. Para 2016, a projeção é de 745.742 cabeças.

“A pesquisa realizada no final de 2015 com confinamentos não associados à Assocon mostrou intenção de queda de 3,52% na produção de animais confinados para 2016. É importante lembrar que essas duas pesquisas foram realizadas com grupos distintos de propriedades”, comenta Bruno Andrade, gerente executivo da Assocon.

A pesquisa com os associados da Assocon foi realizada em março de 2016 e evidenciou a dificuldade do produtor esse ano para cumprir sua meta de confinamento. Embora a expectativa seja de terminar 746 mil animais em 2016, os projetos pecuários entrevistados contam com apenas 52% dos animais para cumprir essa meta. Os 48% restantes incluem animais que precisam ser comprados, fechados via parceria, boitel ou aguardam definição do produtor em terminá-lo em confinamento ou em outro sistema de produção.

Despesas – O custo de produção da arroba engordada no confinamento em março de 2016 apresentou elevação de 23% em relação a março de 2015. O retorno/animal projetado para o primeiro semestre é negativo, na ordem de 1@ por animal, considerando todos os insumos de produção a preços de mercado.

“A Assocon observa que entre os entrevistados houve importante oscilação em relação à intenção de confinamento para 2016. Algumas propriedades de pequeno porte pretendem dobrar sua produção, entretanto seu impacto no volume total é limitado”, ressalta Bruno Andrade.

Em contrapartida, grandes unidades de engorda do centro-oeste estimam redução de até 60% na intenção de confinamento para 2016.

Também foi possível observar na pesquisa da Assocon que alguns empreendimentos médios e grandes pretendem ampliar o confinamento para 2016, porém isso é considerado um movimento de poucos projetos pecuários. Alguns desses confinamentos estão localizados nos estados do Pará, Maranhão e Bahia e apresentam pretensão inicial de crescimento acima da média. Nesses casos, são projetos de produção em ciclo completo, que não compreendem somente a fase de terminação em confinamento.

É necessário considerar que muitos projetos de engorda intensiva a pasto, engorda a pasto ou semi-confinamento foram estabelecidos na região centro-oeste e norte em detrimento do uso do confinamento. Esses sistemas alternativos caracterizam-se por ter custo de produção mais baixo. Entretanto, a suplementação utilizada nesses sistemas pode chegar a até 1,8% PV (Peso Vivo), se assemelhando, em parte, com o confinamento.

“Portanto, de acordo com os dados apresentados, a ASSOCON recomenda que a expectativa de alta de 2% da produção de gado confinado seja monitorada de perto devido as condições de mercado e margens estreitas e tendo em vista que isso pode resultar no aumento de animais semi-confinados, pois é possível termos mais animais produzidos sob o sistema intensivo (considerando semi-confinamento)”, finaliza Andrade.

Sobre a Assocon

A Associação Nacional dos Confinadores – ASSOCON defende os interesses da pecuária intensiva. A entidade se propõe a ser um elo na cadeia produtiva e agente de transformação e agregação de valor aos seus sócios por meio de prioridades estabelecidas em comitês específicos. A Assocon trabalha para defender os interesses dos associados e representá-los junto aos órgãos públicos e privados, além de incentivar o aumento contínuo da qualidade e da eficiência de produção, alinhando-se a demandas de mercado cada vez mais exigente e antecipando oportunidades aos confinadores e à pecuária intensiva como um todo, transformando os desafios do mercado em valiosas estratégias de crescimento. Mais informações:www.assocon.com.br

Rondoniagora.com

SIGA-NOS NO Rondoniagora.com no Google News

Veja Também