Rondônia, sábado, 18 de agosto de 2018
Últimas Notícias   Rondoniagora.com no Facebook Rondoniagora.com no Twitter Rondoniagora.com no Youtube

Artigos

Publicado em Segunda, 18 de Abril de 2011 - 17h15

Medicina alternativa

Cândido Ocampo


É crescente em Rondônia a quantidade de anúncios que ofertam à população a cura de todas as doenças que se possa imaginar através das chamadas “medicinas alternativas”. Geralmente vêm recheados de panacéia do tipo: “cura fácil de doenças a preço baixo”. O fenômeno, que não é exclusividade do nosso Estado, dentre outros fatores pode ser atribuído à falta de informação, ou seja, à ignorância clássica, assim como à caótica estrutura da saúde pública brasileira que vem sofrendo um processo de depreciação ao longo de décadas, deixando desassistida a população mais carente que, desesperada, agarra-se a qualquer promessa de amparo. Diante desse ambiente que por si só já é propício, num país onde a impunidade é idiossincrática, não dá outra: proliferam os embusteiros de todo gênero.

Aproveitando-se da ausência do Poder Público, da ignorância e fragilidade da população, surgem os “terapeutas” prometendo a cura milagrosa da sua doença a preço baixo. Geralmente sem formação alguma, essas pessoas atendem seus “pacientes” deixando transparecer que são verdadeiros profissionais de saúde. Alguns se transvestem tão bem que chegam a colocar no ombro um estetoscópio, aparelho utilizado pelo médico para auscultar os órgãos internos do corpo humano. Outros usam métodos e procedimentos próprios do curandeirismo, crime previsto no artigo 284 do Código Penal.

O que antes era apenas uma forma de pensar a vida, uma tentativa de interação do homem com os elementos da natureza, ou seja, uma, digamos “filosofia de vida”, que objetivava apenas a busca da paz interior, hoje a terapia holística é anunciada por essas pessoas como se fosse uma ciência que cura várias enfermidades do corpo. Outros anúncios prometem a cura de doenças psicossomáticas com a “ciência da iridologia”, neologismo criado para explicar um processo de diagnóstico apenas com a observação da íris dos olhos. Os optometristas insistem em invadir a seara de competência da oftalmologia, prescrevendo e ao mesmo tempo vendendo óculos aos pobres incautos, que saem da “consulta” com a certeza de terem sido atendidos pelo “doutor”.

O mais grave é que esses “terapeutas” após o atendimento, não raro, passam receitas a seus “pacientes” que não se restringem apenas a plantas ou ervas medicinais, daquelas que, quando criança, sua avó sempre recomendava para curar seu mal estar, mas incluem remédios alopáticos, inclusive de venda controlada, que se usado incorretamente podem trazer sequelas irreversíveis ao organismo humano.

Não há dúvida que existem pessoas honestas e com bons propósitos no meio, que têm alguma formação e sabem das limitações próprias de suas terapias e não tentam ludibriar as pessoas. Porém, proliferam a cada dia os aproveitadores em busca do dinheiro daqueles que anseiam a qualquer custo a cura dos seus males. Cabe o alerta à população e às autoridades públicas.

O autor é advogado atuante no ramo do Direito Médico. candidoofernandes@bol.com.br

Rondoniagora.com





2016 © Rondoniagora.com - Jornal Rondoniagora é uma publicação de Central de Jornalismo, Produção, Marketing e Assessoria Ltda. Todo o noticiário, incluindo vídeos, não podem ser publicados, retransmitidos por broadcast, reescritos ou redistribuídos sem autorização escrita da direção, mesmo citando a fonte.

Avenida Guaporé, 4248 - Bairro Igarapé - Porto Velho - RO (69) 3225-9705

Desenvolvido por
Idalus Internet Solutions