Rondônia, quarta-feira, 12 de dezembro de 2018
Últimas Notícias   Rondoniagora.com no Facebook Rondoniagora.com no Twitter Rondoniagora.com no Youtube

Artigos

Publicado em Segunda, 21 de Junho de 2010 - 10h26

Segunda opinião médica

Cândido Ocampo


Não há dúvida que um dos temas mais desconhecidos na deontologia médica é a faculdade do paciente de invocar a chamada “Conferência Médica”, que o novo Código de Ética chamou de “Junta Médica” (art. 39). O desconhecimento se verifica até mesmo entre os profissionais que muitas das vezes agem de forma contrariada sem saber que se trata de verdadeiro direito do paciente. O artigo acima mencionado do Código de Ética Médica assim estabelece: “É vedado ao médico opor-se à realização de junta médica ou segunda opinião solicitada pelo paciente ou por seu representante legal”.  O dispositivo prescreve que o paciente, ou na falta de condições deste, os seus familiares, tem o direito de procurar outros profissionais, com ou sem a aprovação do médico assistente, para uma avaliação do caso, para ajudar no tratamento ou, simplesmente, para assumir a assistência.

Assim como o médico é um profissional que goza de autonomia técnica em sua profissão, tendo a obrigação inclusive de defender tais postulados, o paciente com muito mais razão também goza do direito de escolher qual o profissional que vai ser o responsável pelo seu tratamento. Trata-se de um direito inalienável. E em razão desse direito o paciente tem a faculdade de a qualquer momento, lhe sendo conveniente e havendo justificativa plausível, invocar a junta médica ou uma segunda opinião para extirpar dúvidas ou qualquer outro questionamento de ordem técnica que esteja lhe causando desconforto.

O que ocorre rotineiramente, no entanto, é que no primeiro sinal do paciente de que irá procurar outro profissional apenas para auxiliar o seu médico assistente, este com sua vaidade abalada e sua galhardia atingida, não raro renuncia a sua função, como se o paciente estivesse abusando de sua condição. A altivez excessiva e a falta de conhecimento de seus deveres levam o profissional médico a claudicar nestas situações.

O exercício de um direito jamais poderá servir de justificativa para o médico renunciar sua condição de assistente. Entendemos, porém que se a família ou o paciente chamar um outro médico para acompanhar o caso, sendo ele da mesma especialidade daquele que tratava o paciente, cabe ao primeiro médico decidir se continua ou não dando sua contribuição, pois nesses casos a perda da confiança no profissional torna-se patente, não sendo ele obrigado a prestar seus serviços nessas condições, não configurando assim abandono do tratamento.

Cândido Ocampo, advogado atuante no ramo do Direito Médico.
candidoofernandes@bol.com.br


(Disponível em https://www.rondoniagora.com/artigos/segunda-opiniao-medica)
Rondoniagora.com





2016 © Rondoniagora.com - Jornal Rondoniagora é uma publicação de Central de Jornalismo, Produção, Marketing e Assessoria Ltda. Todo o noticiário, incluindo vídeos, não podem ser publicados, retransmitidos por broadcast, reescritos ou redistribuídos sem autorização escrita da direção, mesmo citando a fonte.

Avenida Guaporé, 4248 - Bairro Igarapé - Porto Velho - RO (69) 3225-9705

Desenvolvido por
Idalus Internet Solutions